Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Maçães pede acordo rápido entre Europa e EUA para reduzir dependência energética da Rússia

Em artigo de opinião publicado no Wall Street Journal, o secretário de Estado dos Assuntos Europeus apela à finalização de um acordo entre a UE e os Estados Unidos na área energética. Se houver boa vontade, esse acordo pode ser fechado em “meses”, escreve.

Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 23 de Abril de 2014 às 10:55
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

Bruno Maçães, secretário de Estado dos Assuntos Europeus, defende que os Estados Unidos e a União Europeia deveriam separar o dossier da energia da Parceria Transatlântica mais vasta que está em negociação para avançar mais rapidamente num acordo nesta área de modo a reduzir o quanto antes a dependência europeia do fornecimento energético russo.

 

“Os recentes acontecimentos na Ucrânia e na Rússia deixaram claro que a criação de um mercado de energia transatlântico visas muito mais do que a eficiência económica. A cooperação energética tornou-se um pilar indispensável da segurança comunidade ocidental, que tem desempenhado um papel central na manutenção da paz na Europa há mais de 60 anos”, escreve o governante português num artigo de opinião publicado no Wall Street Journal.

 

Hoje, a União Europeia produz apenas uma pequena parte das suas necessidades energéticas, importando cerca de 80% do petróleo e cerca de 60% do gás que consumo, sendo que mais de um terço desse petróleo e 30% desse gás é de origem russo. Apenas quatro países da UE - Portugal, Espanha, Irlanda e Suécia – não dependem de qualquer gás russo.

 

"Ao reduzir a dependência energética da Europa em relação à Rússia, quer os EUA  quer a Europa serão mais capazes de defender e promover os seus valores, ao mesmo tempo que beneficiam de enormes ganhos decorrentes de uma maior integração económica entre as duas maiores economias do mundo”, argumenta Maçães, que defende ainda o aumento da capacidade de interligação no gasoduto europeu que atravessa os Pirinéus de modo a aumentar a capacidade de fornecimento de gás liquefeito ao centro da Europa a partir de Sines.

 

Ver comentários
Saber mais Maçães energia acordo Estados Unidos EUA Sines gás NYT
Outras Notícias