Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Novo governo em Espanha: tudo é possível e improvável ao mesmo tempo

Passou mais de um mês desde as eleições legislativas e muito pouco se avançou em direcção ao novo governo. Rajoy e Sánchez jogam o tudo ou nada, debaixo de olho dos novos e poderosos protagonistas Iglesias e Rivera.

Reuters
Manuel Esteves mesteves@negocios.pt 24 de Janeiro de 2016 às 19:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Portugal precisou de quase dois meses e muitas negociações para ter um primeiro-ministro no seguimento das eleições legislativas de 4 de Outubro. Em Espanha, já passou mais de um mês e não se perspectiva a formação de um governo.

Para já, todos os cenários são possíveis, embora quase todos muito improváveis. Tanto Mariano Rajoy como Pedro Sánchez alimentam a ambição de serem primeiros-ministros, ao mesmo tempo que os líderes dos partidos que emergiram nestas eleições  – Podemos e Cidadãos – fazem uso do poder que os votos dos espanhóis lhe deram.

Conforme notava este sábado o El Mundo, os líderes dos dois maiores partidos, antes habituados a uma tradição bipartidária partilhavam o mesmo dilema: "Ou césar ou nada. O Governo ou nada. Cada um à sua maneira, ambos permanecem na trincheira desde o 20 de Dezembro. Rajoy com a agenda vazia e Sánchez fechado no seu castelo repelindo os ataques dos seus críticos", notava Lucía Mendez.

Na sexta-feira, o ainda líder do governo espanhol tornava pública a sua recusa em formar governo, considerando não dispor ainda de condições, mas sem contudo rejeitar vir a fazê-lo no futuro. "Mantenho a minha candidatura a presidente do Governo, mas ainda não tenho os apoios" para concretizar esse objectivo, disse Mariano Rajoy, após uma reunião com o Rei de Espanha na qual recusou um convite para se apresentar a votação de investidura, o primeiro passo para a formação de um novo governo. 

Estas declarações suscitaram uma reacção crítica do PSOE: "A decisão de declinar a solicitação do rei para apresentar a sua investidura e, ao mesmo tempo, anunciar que não renuncia é inaceitável e só pode ser compreendida à luz da complicada situação judicial que enfrenta o seu partido, investigado estes dias por corrupção", lê-se num comunicado dos socialistas, que não perdem uma oportunidade de lembrar os casos de corrupção que afectaram o PP.

No dia seguinte, sábado, foi a vez de se reunirem Pedro Sánchez e Albert Rivera. Mas nada ficou mais claro, pelo contrário. À saída, Rivera afirmou não tencionar votar favoravelmente à investidura de Pedro Sánchez "em nenhum caso", dando-lhe o mesmo tratamento que reserva a Rajoy. Na melhor das hipóteses admite abster-se, e isto como moeda de troca para um programa de reformas com o qual concorde.

O Cidadãos parece apostar numa solução governativa sem nenhum dos dois actuais líderes do PP e PSOE e embora o próprio Rivera já tenha dito que não tenciona propor-se para liderar um governo o partido não afastou essa hipótese liminarmente, escreve o El Pais.

Finalmente, o Podemos, que ficou a dois pontos percentuais do PSOE, não pára de pressionar os socialistas a formar um governo progressista que reverta as medidas de austeridade, um pouco à semelhança do que foi acordado em Portugal. Pablo Iglesias propôs a formação de um governo, do qual seria vice-presidente, e que contaria ainda com os ex-comunistas da Esquerda Unida.

Mas este cenário esbarra com a grande questão política em Espanha que se chama Catalunha. O Podemos bate-se por um referendo na região que permita aos catalães decidirem se querem a independência, algo que o PSOE rejeita liminarmente. Iglesias argumenta que o seu partido defende o referendo mas preferia que a Catalunha continuasse em Espanha. E lembra um facto relevante que não deixa de suscitar alguma perplexidade: "Fomos nós que ganhámos as eleições na Catalunha".

Os próximos dias serão marcados por novas reuniões, seguidas de declarações, havendo um período máximo de dois meses para encontrar um primeiro-ministro, prazo que começa a contar a partir do momento em que haja uma tentativa de investidura rejeitada pelo Congresso. Se no final deste período de dois meses não houver Governo, serão convocadas novas eleições.

Ver comentários
Saber mais Espanha eleições governo rajoy sánchez iglesias rivera
Mais lidas
Outras Notícias