Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Refugiados: BE e PCP contra governo no acordo com a Turquia

Augusto Santos Silva foi ouvido na comissão parlamentar de Assuntos Europeus, numa audição necessária para o Governo português desbloquear os 7,2 milhões de euros para apoiar projectos destinados a proteger os refugiados na Turquia.

Miguel Baltazar
Negócios com Lusa 28 de Setembro de 2016 às 16:25
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

O ministro dos Negócios Estrangeiros português considerou hoje no parlamento que o acordo entre a União Europeia (UE) e a Turquia sobre refugiados ainda tem "bastantes limitações", apontando demoras na recolocação e o crescimento de novas rotas de tráfico humano. Mas durante a reunião da comissão parlamentar, PCP e Bloco de Esquerda voltaram a acentuar as diferenças em relação ao Governo nesta matéria.

 

Sobre o acordo entre a UE e Ancara, em vigor há seis meses, Augusto Santos Silva (na foto) referiu que os fluxos de retorno da Grécia para a Turquia "são ainda muito baixos" e "o número de pessoas recolocadas ao abrigo do mecanismo '1 por 1' ainda está muito longo do objectivo e das necessidades".

 

Por outro lado, Santos Silva destacou que "o principal resultado positivo" é a redução, "em 25 vezes", do tráfico humano da Turquia para a Europa, com uma "enorme redução" das mortes, além de ter permitido "praticamente acabar com a rota do Mediterrâneo oriental", e de pôr em prática o mecanismo de reinstalação.

 

Isabel Pires (BE) considerou, por seu lado, que se agravaram, na Turquia, problemas de respeito de direitos, liberdades e garantias. "Não nos parece que faça grande sentido continuar a ignorar as questões de direitos humanos e democracia e continuar a ter um acordo deste género. É uma grande hipocrisia da União Europeia", defendeu a deputada, para quem a Europa deveria empenhar-se no aprofundamento das condições democráticas e não resumir o acordo à facilitação dos vistos para turcos.

 

Também a comunista Paula Santos considerou que o acordo é "ilegal, desumano e não respeita os direitos dos requerentes de asilo". "Aspectos positivos, não vemos", disse a deputada do PCP ao ministro, que defendeu que as verbas utilizadas em "medidas militaristas" deviam ser canalizadas "para a garantia dos direitos humanos".

 

Sobre o respeito dos direitos humanos pela Turquia, onde uma tentativa de golpe de Estado, em Julho, levou à detenção e demissão de milhares de pessoas, incluindo jornalistas, juízes e docentes universitários, o ministro reiterou que "o Estado de Direito não é uma exigência menor face às necessidades de combate ao terrorismo".

 

Augusto Santos Silva foi hoje ouvido na comissão parlamentar de Assuntos Europeus, numa audição necessária para o Governo português desbloquear os 7,2 milhões de euros para apoiar projectos destinados a proteger os refugiados na Turquia. A audição de hoje ficou prevista na aprovação da norma orçamental relativa a este apoio, viabilizada apenas com os votos do PS e do CDS e a abstenção do PSD, enquanto as bancadas que apoiam o Governo, PCP e Bloco de Esquerda, votaram contra.

 

No total, Portugal contribuirá com 24 milhões de euros para o bolo total - 3 mil milhões de euros -, um valor que não conta para efeitos de défice, ressalvou Santos Silva.

 

O ministro revelou ainda que foram já aprovados 46 projectos de apoio aos refugiados, mobilizando um total de 2,2 mil milhões de euros, e que, destes, 32 projectos receberam, até agora, 466 milhões de euros. 

Ver comentários
Saber mais refugiados Turquia ministro dos Negócios Estrangeiros União Europeia Bloco de Esquerda PCP Orçamento
Outras Notícias