Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Reviravolta nas sondagens após morte de deputada

A tendência de subida dos partidários da saída do Reino Unido da União Europeia perdeu força nas sondagens e os defensores da permanência voltam a liderar. A imigração marcou o dia em que se retomou a campanha, suspensa após a morte da deputada trabalhista.

brexit
Reuters
Manuel Esteves mesteves@negocios.pt 19 de Junho de 2016 às 20:42
  • Assine já 1€/1 mês
  • 21
  • ...

A tendência é inequívoca nas duas sondagens publicadas após o assassinato da deputada trabalhista e defensora da permanência do Reino Unido (RU) na União Europeia (UE), Jo Cox: o Brexit perdeu a dinâmica de subida registada uma semana antes e os partidários da permanência na UE voltaram a liderar, ainda que por uma margem muito escassa. O referendo realiza-se já nesta quinta-feira, devendo os resultados serem conhecidos nas primeiras horas do dia seguinte.


Uma sondagem realizada online pela YouGov para o Sunday Times, realizada entre 16 (dia em que Cox foi atacada) e 17 de Junho dão 44% à permanência na UE e 43% à saída do espaço europeu. Nas duas sondagens anteriores feitas pela mesma entidade, o Brexit liderava recolhendo a preferência de 46% (12 e 13 de Junho) e 44% (15 e 16 de Junho) dos eleitores britânicos.


Outro estudo de opinião, da Survation, realizado por telefone entre 17 e 18 de Junho e publicado pelo Mail on Sunday, revela a mesma tendência: os dois lados trocaram de posições e "ficar" na União Europeia passou a liderar com 45% dos votos, contra 42% dos que defendem a saída (no dia 15, a posição era simétrica).


Um dos principais rostos da campanha pela saída admitiu, de resto, que o assassinato de Cox terá prejudicado o Brexit. "Tínhamos um impulso até esta terrível tragédia", afirmou Nigel Farage, líder do partido anti-europeísta UKIP. "Não sei o que se passará nos próximos três ou quatro dias… Mas a acção de uma pessoa com sérios problemas mentais… Francamente, o que vimos foi um acto de terrorismo", disse Farage, que sexta-feira depositou uma coroa de flores em homenagem à deputada.


É precisamente Farage que está neste momento envolto em mais uma polémica, desta vez desencadeada por um cartaz, onde se lê "Breaking point" por cima de um enorme grupo de refugiados a caminhar, na grande maioria homens e quase nenhuma mulher ou criança. O cartaz foi criticado por um dos líder da campanha do Brexit, Michael Gove, que considerou ser "a coisa errada a fazer".


O tema da imigração tem marcado, crescentemente, a campanha do referendo, que arrancou este domingo depois da suspensão decretada após o ataque à deputada trabalhista. Este fim-de-semana também, Boris Johnson, antigo presidente da Câmara de Londres e uma das vozes mais críticas da UE e da imigração, surpreendeu ao defender uma amnistia para todos os imigrantes clandestinos que entraram no Reino Unido há mais de 12 anos - o que suscitou reacções adversas entre o público que o ouvia num comício, descreve o The Guardian.


Se a imigração anima os discursos do "sair", do lado do "ficar" o principal argumento é económico. David Cameron e o seu ministro das Finanças, George Osborne, reforçaram os alertas sobre o impacto económico de uma eventual saída, lembrando que não há volta atrás.


O debate prosseguiu ontem além fronteiras. Wolfgang Schäuble disse que a Europa está preparada para a saída do RU e Passos Coelho lembrou que, independentemente do resultado, a Europa não voltará a ser igual depois deste referendo. 

Ver comentários
Saber mais Brexit Reino Unido União Europeia Jo Cox Nigel Farage Michael Gove Boris Johnson David Cameron George Osborne Wolfgang Schäuble Europa Passos Coelho
Mais lidas
Outras Notícias