Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia
Ao minuto23.06.2016

Será que os britânicos vão mesmo pedir-nos o divórcio?

Faltam menos de 24 horas para o início do referendo que decidirá se o Reino Unido continuará na União Europeia ou pedirá o divórcio de um casamento, sempre muito atribulado, que data de 1973. No Negócios, estamos a acompanhar os acontecimentos, as pressões e as reacções ao minuto.

Bloomberg
  • Assine já 1€/1 mês
  • 12
  • ...
22.06.2016

Negócios termina minuto

O Negócios termina por agora o acompanhamento ao minuto do dia que antecede um referendo importante para o Reino Unido e para o resto dos países da União Europeia. Amanhã estamos de volta para acompanhar a ida dos britânicos às urnas e os resultados.

22.06.2016

Editora da BBC fala em eleições antecipadas

A editora de política da BBC, Laura Kuenssberg, considera que seja qual for o resultado do referendo de amanhã, vão dar-se mudanças na política britânica. Kuenssberg diz que agora é "razoável esperar eleições antecipadas" antes de 2020, isto porque o referendo provocou várias mudanças no quadro político do Reino Unido que precisam ter uma resposta. 

22.06.2016

Blair diz que no referendo que o povo vai ser Governo

Outro ex-primeiro-ministro a falar foi Tony Blair. O rosto da terceira via não alinhou ao lado do "leave" nem do "remain", preferindo salientar que no referendo desta quinta-feira o povo britânico será Governo. Citado pelo The Telegraph, Blair explicou que "amanhã as pessoas do país são o Governo do dia e vão tomar a maior decisão, provavelmente a maior decisão que o país tomou desde a Segunda Guerra Mundial".

22.06.2016

Nigel Farage faz último apelo a favor do Brexit

Nigel Farage, líder do eurocéptico UKIP e um dos principais rostos da campanha a favor da saída britânica da UE, considera que no referendo desta quinta-feira defronta-se "o povo contra o ‘establishment’".

 

Num último apelo ao voto a favor do Brexit Farage mostrou-se "genuinamente" convicto de que amanhã "vamos vencer isto". Para Nigel Farage esta quinta-feira poderá configurar uma espécie de "dia da independência", isto se vencer o Brexit, claro. 

Farage aproveitou ainda a notícia sobre o retomar das conversações para a adesão da Turquia à UE dizendo que "temos de agarrar esta oportunidade para Sair da UE". Note-se que o primeiro-ministro britânico, David Cameron, é favorável à adesão turca ao projecto europeu, embora considera que nesta momento essa é uma questão que não se deve colocar em cima da mesa.  

22.06.2016

Corbyn quer ficar na UE mesmo que Cameron salvaguarde o seu "bacon"

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, surgiu finalmente esta quinta-feira na campanha a favor do "remain". Apagado ao longo de toda a campanha em torno do Brexit, também engolido pela posição central assumida por David Cameron a favor da continuação na UE, Corbyn apelou ao voto no "sim" mesmo que isso signifique que "David Cameron assegure o seu bacon".

O mesmo é dizer que o líder trabalhista não se importa que Cameron seja o grande vencedor do referendo sobre o Brexit, isto desde que no final vingue a permanência na UE. Apesar de não querer "fazer de conta que a UE é perfeita", Corbyn diz-se defensor não só da permanência mas também da "reforma da UE".

22.06.2016

Ex-líderes de trabalhistas e conservadores juntam-se à campanha pelo "remain"

Os antigos primeiros-ministros do Reino Unido, John Major (conservador) e Gordon Brown (trabalhista) também se alistaram junto dos defensores da permanência britânica no projecto europeu.

 

Major apelidou os apoiantes da saída de "coveiros da nossa prosperidade" e assumiu ter receio do futuro do Reino Unido no caso de se confirmar um evento de Brexit. Já Brown defendeu que o lugar do Reino Unido deveria ser a "liderar a Europa" e nunca a tentar sair. 

22.06.2016

Noção sobre resultados às 04:00 da madrugada

Deverá ser possível ter uma noção mais clara dos resultados entre as 03:30 e as 04:00 da madrugada de quinta para sexta-feira. Segundo o Financial Times só nesta altura será possível ter uma ideia dos resultados, pois às 04:00 serão conhecidos os números de várias regiões, incluindo Londres.

Tendo em conta a proximidade das sondagens e a reduzida fiabilidade das mesmas - como o demonstraram as eleições do ano passado que deram uma maioria aos Partido Conservador de David Cameron – e também o facto de não serem realizadas sondagens à boca das urnas, será mesmo necessário esperar pelo meio da madrugada para ter uma ideia sobre se o Reino Unido continuará, ou não, a fazer da parte da UE.

Os resultados finais serão oficialmente conhecidos à hora do pequeno-almoço no Reino Unido.

22.06.2016

E o que pensam as vedetas?

Tal como o comum dos britânicos, também as celebridades estão muito divididas sobre se a melhor opção para o seu país será permanecer ou sair da União Europeia. O Mirror fez um apanhado. Veja aqui de que lado estão David Beckham, Katie Hopkins, Michael Caine, John Cleese ou Elizabeth Hurley. A conhecida actriz publicou na rede social Twitter uma fotografia sugestiva favorável ao Brexit. 

22.06.2016

Veteranos de guerra pedem o voto no “sim” à União Europeia

A campanha pela permanência do Reino Unido na UE está a divulgar testemunhos de veteranos de guerra que apelam ao "sim" no referendo desta quinta-feira. As sondagens têm indicado que a preferência pela saída é maioritária entre os mais velhos.

22.06.2016

Cameron: Eles "perderam" ao fazer comparações com os nazis

David Cameron acusou esta tarde Michael Gove de ter "perdido" depois de o seu ministro da Justiça e um dos principais rostos da campanha pelo Brexit ter comparado os economistas que alertam para os custos da saída da UE aos peritos pagos pelos nazis.


Escreve o Guardian, jornal pró-europeu, que o primeiro-ministro desferiu esta tarde o ataque mais forte da campanha contra Gove, outrora um aliado político próximo.

 

Gove comparara os que afirmam que a saída da UE fará o Reino Unido mergulhar numa recessão aos cientistas pagos pelo governo de Adolf Hitler para publicarem resultados científicos desejados pelo Estado.

22.06.2016

Há filas para trocar libras por euros e dólares

Há filas em frente a agências de câmbios. Escreve o Financial Times que, perante a incerteza do resultado de amanhã e das suas consequências no valor da moeda, muitos britânicos estão a trocar libras por euros e dólares.

Ainda ontem, o magnata George Soros, que enriqueceu apostando contra a libra em 1992, disse que prevê uma queda "vertiginosa" da moeda britânica em caso de vitória do Brexit no referendo desta quinta-feira, 23 de Junho. Segundo Soros, a libra deverá desvalorizar pelo menos 15%. "A ironia, neste caso, é que a libra passaria a valer o mesmo que o euro, o que ninguém deseja no Reino Unido".

22.06.2016

Duas sondagens dão vantagem à saída da União Europeia 

Duas novas sondagens colocam hoje o campo da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) ligeiramente à frente das intenções de voto, na véspera do referendo histórico. 

 

Segundo a Opinium, que interrogou 3.011 britânicos pela Internet, 45% pronunciaram-se pela saída e 44% pela manutenção na UE, mas 9% permaneciam indecisos e 2% optaram por não se pronunciar.

 

A empresa TNS, que sondou 2.320 pessoas, revelou que 43% defenderam a saída da UE, 41% a permanência e 16% mantinham-se indecisos. 

22.06.2016

Governo aconselha portugueses a pedir residência permanente para acautelar direitos

O secretário de Estado das Comunidades aconselhou hoje aos portugueses no Reino Unido que acautelem seus direitos e requisitem a residência permanente naquele país, independentemente da saída ou não dos britânicos da União Europeia.

 

"Essa é uma preocupação que os portugueses com mais de cinco anos de trabalho no Reino Unido devem ter", disse José Luís Carneiro aos jornalistas, em Lisboa.

 

Segundo José Luís Carneiro, "há muitos portugueses, segundo as estimativas realizadas, que não estão registados nos consulados de Londres e Manchester e também não estão registados como cidadãos com residência permanente no Reino Unido".

 

"É por isso que, conjunto das sugestões e conselhos que vamos dando aos portugueses que vão se dirigindo aos serviços consulares, esteja essa recomendação", referiu.

 

De acordo com o governante, "tendo visto de trabalho e tendo desenvolvido actividade profissional um período de cinco anos", os portugueses devem procurar "adquirir o estatuto de residente permanente, na medida que salvaguardará direitos fundamentais, nomeadamente de cariz social, quer ocorra a saída do Reino Unido da União Europeia, quer não ocorra".

 

"Isso porque, por força de uma decisão de Fevereiro de 2016, haverá um conjunto de alterações nas condições de atribuição de apoios sociais no Reino Unido, com aplicação a partir de 2020, que sugerem que os portugueses procurem acautelar os seus interesses junto das autoridades consulares portuguesas e junto das autoridades britânicas", disse.

 

O acordo assinado pelo Reino Unido e a UE prevê o chamado "travão de emergência", mecanismo que permite a um país travar a concessão de benefícios sociais aos imigrantes durante quatro anos em caso de uma "situação de excepção" provocada, por exemplo, por dificuldades relacionadas com a sustentabilidade do sistema de segurança social.

 

Este mecanismo está limitado a um período máximo de aplicação de sete anos e é a UE que tem a competência de determinar a existência de uma tal "situação de excepção".

 

Outra medida é que os abonos de família pagos aos filhos de imigrantes a viver no país de origem dependam do custo de vida e da prestação social desse país.

 

Para os quase 400 filhos de portugueses que actualmente já recebem o abono britânico, a situação mantém-se até 2020, mas os filhos dos novos emigrantes serão já abrangidos pela nova política.

 

O Reino Unido é actualmente o principal destino da emigração portuguesa.

22.06.2016

Ryanar promete saldos inéditos se britânicos ficarem na UE

A maior companhia aérea de baixo custo diz que recompensará os eleitores britânicos com promoções nunca vistas se estes decidirem permanecer na União Europeia.


A promessa foi renovada esta tarde, em vésperas do referendo, por Michael O'Leary, o controverso presidente-executivo da companhia aérea irlandesa.  

"Se o Reino Unido votar no sentido de permanecer na UE faremos a maior promoção de sempre para as pessoas que querem ir e visitar a Europa".


Em declarações ao Independent, O’Leary diz que a oferta será "particularmente destinada" a Boris Johnson, Nigel Farage e Michael Gove – os principais rostos do Brexit – que diz serem "as pessoas que realmente não sabem muito sobre a Europa e que precisam passar mais tempo no exterior".

 

"Nunca teríamos crescido tanto não fosse a Europa, o mercado único e a desregulamentação. As baixas tarifas foram-nos trazidas pelo mercado único. O que Boris [Johnson] e Michael Gove querem é regressar a uma Europa quando a British Airways cobrava 800 libras e só os ricos podiam dar-se ao luxo de voar", acusa.

22.06.2016

Brexit vai fazer subir o preço do vinho, avisa o patrão da Majestic

Rowan Gormley, CEO da Majestic, o maior retalhista de vinho do Reino Unido, avisa que o preço vai aumentar. "O custo dos bens importados vai inevitavelmente aumentar com a saída do país da União Europeia", diz. Produtores portugueses fazem parte dos clientes da Majestic e da Naked Wines, empresa do grupo vocacionado para o comércio online.

22.06.2016

Portishead e o tributo a Jo Cox

Em homenagem a Jo Cox, que hoje completaria 42 anos, a mítica banca de Bristol lançou um novo vídeo para a versão da música do ABBA, SOS. No vídeo a preto e branco, onde apenas aparece Beth Gibbons, pode ler-se no final a frase da deputada trabalhista e pró-europeia assassinada na passada quinta-feira: "We have far more in common than which divides us."  

22.06.2016

"Leave" promete bonança

A campanha do "Leave" renovou a foto de capa da sua página no Facebook. Escreve que o dia da independência está próximo e mostra um horizonte de bonança a deixar para trás os tempos europeus de tempestade.

22.06.2016

Brexit pode custar à Jaguar mil milhões de perdas

A maior construtora britânica, a Jaguar Land Rover, estima que seus resultados possam ser reduzidos em mil milhões de libras (cerca de 1,3 mil milhões de euros) até 2020 se o Reino Unido decidir deixar a União Europeia, escreve a Reuters.


Este valor corresponde ao pior dos três cenários antecipados, e pressupõe que o Reino Unido não consegue garantir um acordo de livre comércio com a UE e que as relações comerciais passam a ser regidas pelas regras da OMC.

22.06.2016

Remain or Leave? Pray

No centro de Lodres mesmo em véspera do referendo as campanhas passam despercebidas. E já há até quem aponte para um caminho alternativo - rezar.

22.06.2016

Gafe

Michael Gove, ministro da Justiça e um dos principais rostos da campanha pela saída, disse na televisão que várias celebridades apoiam o "Leave", entre as quais John Barnes, ex-futebolista e treinador de futebol jamaicano naturalizado britânico, que jogou pela selecção Inglesa entre 1983 e 1995. Afinal não é bem assim, e a resposta de Barnes não tardou. Veja aqui.

22.06.2016

Merkel quer "evidentemente que o Reino Unido fique na UE"

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou hoje, véspera do referendo britânico sobre a permanência do país na União Europeia (UE) que quer, "evidentemente, que o Reino Unido fique na União Europeia". "Evidentemente quero que o Reino Unido fique na UE, mas a decisão é dos cidadãos britânicos", disse Merkel à imprensa depois de um encontro com a primeira-ministra polaca, Beata Szydlo, citada pela Lusa.

 

Para a primeira-ministra polaca, o referendo de quinta-feira "vai decidir o futuro da Europa" e esse futuro, para Varsóvia, deve incluir o Reino Unido. "Esperamos muito que os britânicos queiram ficar na UE", acrescentou.

22.06.2016

A NATO precisa de um Reino Unido forte

Jens Stoltenberg, secretário-geral da Nato, sublinhou o importante papel do Reino Unido no combate ao terrorismo e à imigração ilegal. "Um Reino Unido forte numa Europa forte é bom para o Reino Unido e é bom para a Nato", defendeu em entrevista ao The Guardian.

"Enfrentamos desafios de segurança sem precedentes, como o terrorismo. Uma Europa fragmentada pode gerar mais instabilidade e imprevisibilidade."

22.06.2016

Nicola Sturgeon apela à permanência na UE

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, que é também líder do Partido Nacional Escocês (SNP), também pediu que os britâncios votem a favor do "remain" na UE. Sturgeon sublinhou que a concretização do Brexit apresenta riscos para Edimburgo e apontou os cerca de 300 mil empregos existentes na Escócia estão directamente relacionados com exportações para o mercado comunitário. 

22.06.2016

Em França e Itália também se pedem referendos

Luigi di Maio, vice-presidente da câmara baixa do Parlamento italiano e membro do Movimento 5 Estrelas disse que "queremos um referendo consultivo sobre o euro. O euro tal como está hoje não funciona", disse o membro do partido fundado por Beppe Grillo que no domingo foi o grande vencedor das autárquicas transalpinas, conquistando 19 das 20 cidades em que se apresentou na segunda volta, incluindo Roma e Turim.

 

Marine Le Pen, líder da Frente Nacional, também disse recentemente que França deveria realizar o seu próprio referendo acerca desta "Europa apodrecida". As sondagens indiciam que Le Pen tem condições de vencer as presidenciais francesas de 2017. 

22.06.2016

Elena Ferrante: "Deixem-nos ficar juntos e mudar a Europa juntos"

A escritora italiana Elena Ferrante juntou-se aos apoiantes da permanência do Reino Unido na União Europeia. Numa mensagem publicada pelo The Guardian, assume não ter "muita simpatia em relação à actual União Europeia": "É uma Europa feia", lamenta.

 

Contudo a autora de "A Amiga Genial" defende ser necessário "ficarmos juntos custe o que custar" porque aquilo que precisamos não é de "muitos pequenos países mas de um continente". Ferrante salienta que só assim a Europa poderá enfrentar os desafios actuais e, acima de tudo, pôr termo "às intoleráveis desigualdades".

 

"Mulheres e homens do Reino Unido, por favor deixem-nos ficar juntos e mudar a Europa juntos".

22.06.2016

Juncker avisa que "sair é sair"

Jean-Claude Juncker garante que o Reino Unido não poderá utilizar uma vitória do Brexit para negociar melhores condições de relacionamento com a UE.

"Os legisladores britânicos e os eleitores britânicos têm de ter noção de que não haverá qualquer tipo de renegociação" porque "sair é sair", atirou o presidente da Comissão Europeia aproximando-se da ideia há poucos dias também defendida pelo ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble.

Recentemente Juncker aludiu ao acordo alcançado no Conselho Europeu de Fevereiro entre Londres e Bruxelas e que garante ao Reino Unido um conjunto de excepções que permitiram ao primeiro-ministro britânico, David Cameron, ficar do lado do "sim" à continuação na UE. Assim justificando a impossibilidade de uma negociação de melhores condições para o Reino Unido. 

22.06.2016

Sondagens e mercados em sentidos opostos

A agência Bloomberg salienta que a menos de 24 horas horas do referendo britânico, mercados e sondagens apontam para tendências distintas. Enquanto investidores apostam dinheiro na vitória do "remain" e as bolsas europeias negoceiam em alta, as sondagens continuam a apontar para um empate técnico entre o "sim" e o "não" ao Brexit.

 

Nesta altura a libra esterlina valoriza perto de 0,5% face ao dólar, isto depois de ontem ter registado o valor mais elevado desde Janeiro, um máximo de seis meses. Já o principal índice bolsista inglês (Footsie) ganha perto de 1%, o que permite praticamente anular as perdas acumuladas em Junho, e o índice de referência europeu (Stoxx 600) avança acima de 0,5%, depois de ter alcançado o maior ganho de três dias em quase um ano.

 

A contribuir para este comportamento dos mercados está a recuperação do "sim" à permanência nas sondagens verificado nos últimos dias, em especial depois do assassinato da deputada trabalhista pró-europeia e activista humanitária, Jo Cox.

 

Citado pela Bloomberg, John Plassard, trader do Mirabaud Securities, considera que o crescimento do "remain" está a "determinar a direcção dos mercados". 

22.06.2016

Michael Bloomberg do lado do "sim"

Michael Bloomberg colocou-se do lado do "sim" à permanência do Reino Unido na União Europeia. O multimilionário e antigo mayor de Nova Iorque, em declarações ao EUobserver, disse esperar que "sob o meu ponto de vista, da perspectiva americana e da minha empresa, que [os britânicos] votem para ficar na UE".

 

No entender de Michael Bloomberg, também a "city" londrina tem a ganhar com a continuação no seio da UE, podendo ser "mais rentável" se o país continuar a fazer parte do projecto europeu. "Nos Estados Unidos apreciamos tudo aquilo que a UE faz. Fui sempre um grande fã da UE", concluiu.

22.06.2016

A opinião do Prémio Nobel da Economia Michael Spence

Alguns britânicos (possivelmente a maioria) e muitos outros cidadãos da UE, continuam a querer que as futuras gerações pensem nelas próprias enquanto europeias (embora com orgulho na origem britânica, alemã ou espanhola), e estão preparados para uma nova tentativa de reforma das estruturas de governação europeias. E estão certos ao pensar que o mundo seria um lugar muito melhor com uma unida e democrática Europa enquanto principal força, tanto para a estabilidade como para a mudança.

 

Esse seria um bom resultado no longo prazo. Requereria lideranças inspiradas em todos os cantos da Europa - incluindo governos, empresas, sindicatos e sociedade civil, assim como um renovado compromisso com valores como integridade, inclusão, responsabilidade e generosidade. Esta é uma folha de encargos abrangente; mas não é impossível de cumprir.

Leia aqui na íntegra o artigo de opinião de Michael Spence

22.06.2016

Reportagem em Londres

Falta um dia para o referendo. Mas num dos locais mais turísticos de Londres, junto ao parlamento, ninguém diria.

A reportagem da enviada especial do Negócios a Londres, Alexandra Machado. 

22.06.2016

"Remain", pede Renzi aos britânicos

Num artigo de opinião dirigido aos eleitores britânicos, intitulado "Não votem 'remain' por nós europeus - façam-no por vós", Matteo Renzi defende a permanência do Reino Unido na União Europeia. Votar pela saída do país da União Europeia seria um "erro". Seria virar as costas aos problemas. Seria andar para trás. "Se há uma coisa que os britânicos nunca fizeram perante um desafio relacionado com o seu futuro, com a sua identidade, foi tomar uma decisão errada. [Um Brexit] trocaria autonomia por isolamento, orgulho por fraqueza e identidade por automutilação."

"Não o façam por nós. Nós estamos felizes por estarmos na União Europeia convosco.Façam-no, antes, por vós. Pelo que acreditam. Pela história de uma nação que sempre foi capaz de ver para além de si própria. Por um futuro como plataforma de inovação que todos invejamos e admiramos." "Remain [fiquem]", apela Matteo Renzi.

22.06.2016

O que pensam os demais europeus? Stay!

Um estudo realizado em seis países da UE mostra que a maior parte dos cidadãos destes Estados quer que o Reino Unido continue na União.

22.06.2016

Quando ser português é passaporte para permanecer europeu

Conheça a história de um britânico que acaba de meter os papéis para ser português. Porque quer assegurar-se de que, depois de 23 de Junho, dia de referendo no Reino Unido, continuará a ser cidadão da União Europeia.

22.06.2016

O tardio despertar da imprensa pró-europeia

Diferentemente do que se passa aquém Mancha, no Reino Unido é habitual os jornais tomarem abertamente posição sobre as grandes decisões. No referendo sobre a UE, só agora as vozes pró-europeias falaram alto.

22.06.2016

Reino Unido na UE: Empresas torcem pelo "sim" e preparam-se para o "não"

A esmagadora maioria dos empresários britânicos defende a manutenção do país na União Europeia, mas perante a evolução recente das sondagens - que revelam uma sociedade partida ao meio - aceleraram a preparação de planos de contingência.

22.06.2016

Governo britânico alerta que Brexit conduzirá a uma "década de incerteza"

Na primeira análise oficial sobre os efeitos do Brexit, publicada ainda em Fevereiro, o Governo britânico chamava a atenção para as repercussões da saída da União Europeia na actividade económica do país e na vida de milhões de cidadãos.

22.06.2016

Prestações sociais, imigração e casamentos de conveniência: o que vai mudar na Europa se o Reino Unido ficar

O acordo fechado em Bruxelas para ajudar David Cameron a vencer o referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia foi feito à medida das preocupações britânicas, mas aplica-se a todos os Estados-membros. Fomos olhar mais de perto para o tema que gerou mais polémica: o acesso ao mercado de trabalho e a prestações sociais por cidadãos de outros países da União Europeia (UE). Leia aqui o que está na lei e o que vai mudar.

22.06.2016

Como se sai da União Europeia?

A resposta curta é: ninguém sabe ao certo. Nem como nem quanto tempo levará. Mais certo é quem pediu o divórcio não receber facilidades.

Sair ou não da União Europeia é uma escolha soberana dos britânicos, mas não será o Reino Unido a ditar os termos do divórcio deste casamento longo e nunca plenamente assumido em várias áreas.

O facto de Londres ter ficado de fora do euro, de Schengen ou da união bancária - os projectos mais ambiciosos - facilita, e muito. Mas 43 anos depois, um sexto da regulamentação britânica decorre da pertença à UE, e há ainda 12.295 regulamentos comunitários de aplicação directa que cobrem áreas tão diversas como as normas alimentares, emissões poluentes ou exigências aplicáveis à banca, que caducarão com o abandono da União.

Nos cálculos do Governo britânico, não será, por isso, viável sair no prazo de dois anos previsto nos tratados. "Teríamos uma década ou mais de incerteza", antecipa a análise oficial, referindo-se à necessidade de produzir legislação alternativa e de renegociar acordos bilaterais com os demais 27 parceiros e com mais de 50 países que têm relações estruturadas com a UE. 

22.06.2016

Perguntas e respostas sobre o Brexit

O que vai a referendo no dia 23 de Junho?

O Reino Unido vai realizar um referendo esta quinta-feira, 23 de Junho (das 7 horas às 22 horas), sobre a sua permanência ou saída da União Europeia. A pergunta é: Deve o Reino Unido permanecer membro da União Europeia ou sair da União Europeia? (Should the United Kingdom remain a member of the European Union or leave the European Union?). Os britânicos têm de marcar uma cruz no quadro referente ao permanecer (Remain) ou ao sair (Leave).

 

O que significa o Brexit?

Brexit é a junção das palavras Britain e Exit, que significa sair. O que significa que é uma junção que já deu origem a uma palavra que significa a saída do Reino Unido da União Europeia. Tal como se juntou Grécia e Exit para dar o Grexit, mas neste caso significava a saída da Grécia da Zona Euro.

 

Quem pode votar?

Os britânicos, irlandeses e cidadãos da Commonwealth com mais de 18 anos residentes no Reino Unido. Também os cidadãos do Reino Unido e irlandeses que vivam fora que estejam nos registos eleitorais nos últimos 15 anos. Membros da Câmara dos Lordes e cidadãos da Commonwealth em Gibraltar podem votar, o que não acontece nas eleições gerais. Cidadãos de outros países da União Europeia - exceptuando da Irlanda, Malta e Chipre - não podem votar.

Saiba mais aqui.

Ver comentários
Saber mais Brexit referendo Reino Unido União Europeia David Cameron sondagens Europa Bruxelas
Outras Notícias