Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bruxelas elogia “forte sinal” dado por Atenas mas juros seguem em alta e bolsa em queda

O impacto do anúncio de antecipação das presidenciais não se fez esperar. Terça-feira a bolsa grega afundou 13%, a maior queda desde 1987, e esta segunda-feira segue a recuar quase 2%. Em sentido inverso seguem os juros da dívida helénica. No dia em que o vice-primeiro-ministro grego se reúne com o ministro das Finanças alemão, Bruxelas mostra satisfação com o “sinal forte” enviado por Governo grego ao escolher Stavros Dimas como candidato presidencial.

David Santiago dsantiago@negocios.pt 10 de Dezembro de 2014 às 14:46
  • Partilhar artigo
  • 7
  • ...

O sentimento de volatilidade instalou-se de novo na Grécia. A instabilidade faz-se sentir no parlamento helénico, na bolsa grega e nas taxas de juro exigidas pelos investidores para comprarem dívida colocada por Atenas. Paradoxalmente, a União Europeia regozija-se com o facto de a actual maioria governativa ter escolhido Stavros Dimas, ex-comissário europeu para o Ambiente, para candidato presidencial.

 

O primeiro-ministro grego Antonis Samaras anunciou, na segunda-feira, a antecipação das eleições presidenciais, que se realizam por sufrágio indirecto através de votação levada a cabo no parlamento grego, para o próximo dia 17 de Dezembro.

 

Foi este o tiro de partida para que o panorama político grego volte a assemelhar-se ao conturbado período que mediou as legislativas de Maio de 2012. A bolsa grega afundou, esta terça-feira, praticamente 13%, registando assim a maior queda desde 1987. A Bloomberg refere que esta terça-feira foi a sessão de maior volatilidade da praça helénica desde Agosto de 2011. Já esta quarta-feira a tendência mantém-se com a praça grega a recuar 1,90%.

 

Em sentido inverso, os juros da dívida grega seguem em alta, mostrando assim que também os mercados secundários de dívida estão receosos face ao que o futuro irá ditar na Grécia.

 

Na maturidade a três anos, a taxa de juro associada à dívida grega exigida pelos investidores sobe 107,7 pontos base para 9,373%, a cinco anos avança 68,9 pontos para 8,554% e no prazo a 10 anos a "yield" sobe 39 pontos base para 8,571%.

 

Também esta quarta-feira, o vice-primeiro-ministro e titular da pasta dos Negócios Estrangeiros, Evangelos Venizelos, vai reunir-se, em Berlim, com o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, que, segundo o Ekathimerini, lembrou ontem que Atenas teria de prosseguir o caminho de reformas estruturais.

 

Samaras revelou que seria Dimas a representar a maioria governativa, composta pelo Nova Democracia e pelo Pasok, numa escolha bem recebida por Bruxelas. A porta-voz da União Europeia para a política regional, Annika Breidhardt, citada pela agência Bloomberg, defendeu que o nome do antigo comissário europeu para o Ambiente representa "um sinal forte" para a Europa.

 

Em relação à realização das presidenciais gregas já em Dezembro e não em Fevereiro como anteriormente previsto, Annika Breidhardt registou que se trata "de uma decisão democrática das autoridades gregas e do primeiro-ministro Samaras". "Esta decisão pode ajudar a acabar com as incertezas à volta dos mercados financeiros", concluiu.

 

Todavia, esta escolha representa uma jogada da alto risco para o actual Executivo helénico. Na medida em que, se por um lado uma eventual vitória de Dimas poderia reforçar a actual legitimidade do governo de coligação, que está obrigado pela troika a impor novas medidas de austeridade em 2015, podendo assim permanecer, com maior probabilidade, no poder até 2016, por outro, permanece bem real a possibilidade de Stavros Dimas não conseguir recolher o apoio mínimo obrigatório de 180 deputados.

 

O Nova Democracia e o Pasok dispõem de 155 parlamentares e para eleger Stavros Dimas teriam de convencer não apenas os deputados independentes (24) mas também representantes dos Gregos Independentes que cindiram do Nova Democracia há dois anos e que assentam o seu programa político na crítica ao programa de austeridade levado a cabo até ao momento.

 

Samaras terá de conciliar a necessidade de negociar novas reformas com os credores internacionais, numa altura em que a troika concedeu prolongar o programa de assistência económica e financeira, que terminava a 31 de Dezembro, por mais dois meses, com a premência de captar apoios junto de deputados que dificilmente irão aceitar um agravar da austeridade que impôs à Grécia o nível de desemprego mais elevado da União Europeia (26%).

 

No final de Fevereiro termina o prazo do entretanto prolongado resgate internacional à Grécia, altura em que Atenas terá de ter acordado com os três membros da troika um enquadramento de linhas de crédito cautelares que permitam ao estado helénico enfrentar o período pós-assistência financeira.

 
Cronologia das presidenciais gregas:

1- A 17 de Dezembro os deputados gregos vão realizar a primeira votação, de três possíveis, para a escolha do presidente helénico. Todos os partidos representados no parlamento têm direito a apresentar um candidato, podendo essa escolha ser alterada no decorrer do processo. Para garantir a eleição do presidente nesta primeira votação é necessária uma maioria de dois terços, ou seja de 200 parlamentares. Se esta não for alcançada ter-se-á de realizar uma segunda votação no prazo de cinco dias;

 

2- A 23 de Dezembro terá lugar uma eventual segunda votação que, no entanto, também requer uma maioria qualificada de 200 deputados. Se não for alcançada a maioria necessária haverá então lugar a uma terceira e última votação no prazo de cinco dias;

 

3- Nesta última votação é exigida uma maioria de três quintos, bastando apenas os votos de 180 parlamentares para eleger o presidente grego. Se o actual governo não conseguir eleger o seu candidato (Stavros Dimas), o parlamento será dissolvido e será anunciada a data de realização de legislativas antecipadas no prazo de dez dias. As hipotéticas eleições parlamentares teriam de acontecer até 21 dias após o dia em que forem marcadas as legislativas antecipadas;

 

4- Assumindo as regras eleitorais gregas, que também obrigam a que as legislativas sejam realizadas num domingo, surgem os dias 25 de Janeiro e 1 de Fevereiro como datas mais plausíveis para as eleições parlamentares gregas caso não se consiga eleger um presidente da república nas três votações já referidas;

 

5- Terminadas as votações parlamentares, se o partido mais votado tiver alcançado maioria, o líder desse partido recebe mandato para formar governo até ao terceiro dia após as eleições. Se não houver nenhum partido maioritário, é o líder do partido mais votado que tem três dias para formar o Executivo, cuja formalização requer posterior aprovação em sede parlamentar;

 

6- No caso de insucesso destas tentativas de formação de governo, é atribuído um prazo de três dias ao líder do segundo partido mais votado para que este forme governo. Caso esta opção não valide um Executivo, surge a última tentativa ao ser atribuído novo prazo de três dias para que o líder da terceira força partidária mais votada forme Executivo governamental;

 

7- Por fim, falhadas todas estas tentativas, e à imagem do sucedido em 2012, os líderes partidários terão de reunir-se com o presidente grego, que no caso deverá continuar a ser Karolos Papoulias, que assumiu funções em 2005, de forma a tentar ser encontrada uma coligação estável de governo. Se tal não for possível, serão agendadas novas eleições legislativas.

Ver comentários
Saber mais Grécia Antonis Samaras Stavros Dimas União Europeia Wolfgang Schäuble Evangelos Venizelos Annika Breidhardt
Outras Notícias