Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Finlândia disponível para debater alargamento do resgate grego

O primeiro-ministro finlandês já revelou que o país está disponível para debater um alargamento do programa de resgate à Grécia, caso o novo Governo possa comprometer-se com os compromissos já assinados e com as reformas estruturais prometidas.

Bloomberg
Ana Laranjeiro alaranjeiro@negocios.pt 26 de Janeiro de 2015 às 11:14
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

A Finlândia está disponível para debater um alargamento do programa de ajustamento da Grécia. No entanto, e de acordo com a agência Reuters, esse debate só deverá ter lugar caso o novo Governo grego se comprometa com os acordos existentes e com as reformas estruturais prometidas.

 

"Não vamos perdoar empréstimos mas estamos disponíveis para debater um alargamento do programa de resgate ou das maturidades… Mas isto não muda o facto de que a Grécia tem de continuar as suas reformas económicas", afirmou Alexander Stubb (na foto), primeiro-ministro finlandês, citado pela Reuters. "Respeitamos os resultados das eleições democráticas, mas também mantemos o que foi acordado anteriormente… é necessário recordar que toda a crise do euro começou porque regras foram quebradas", acrescentou.

 

O governante finlandês, líder do único país a pedir colaterais para que fosse concedido o segundo resgate a Atenas em 2012, defendeu ainda que as condições do empréstimo são muito acessíveis e não vê possibilidades para mudanças radicais.

 

Este domingo, 25 de Janeiro, Jens Weidman, governador do banco central alemão, falou duas vezes sobre – na altura – a possibilidade do Syriza vencer as eleições. Primeiro acenou com a necessidade de austeridade, dizendo que é do interesse grego "continuar com as reformas" e "cumprir as condições do resgate". Alguns minutos depois, sublinhou a mesma mensagem, citado pelo jornal grego Kathimerini. "Espero que o novo Governo não ponha em causa o que se espera [dele] e o que já foi alcançado."

 

Por outro lado, e depois de terem sido conhecidos os resultados, David Cameron, primeiro-ministro do Reino Unido, afirmou que as eleições na Grécia vão "aumentar a incerteza económica pela Europa". "É por isso que o Reino Unido deve manter o seu plano, trazendo a segurança para casa", acrescentou, através do Twitter.

 

Já o ministro das Finanças belga, Johan Van Overtveldt, considera que há espaço para discutir "modalidades" para o programa de dívida para a Grécia, de acordo com a agência de notícia AP, citada pela BBC. "Podemos falar em modalidades, podemos falar em reestruturar dívida, mas a pedra angular para a Grécia é que deve respeitar as regras da união monetária", disse, acrescentando que "é impossível" fazer mudanças profundas.

Ver comentários
Saber mais Finlândia Governo Grécia Alexander Stubb Jens Weidman David Cameron Johan Van Overtveldt Alexis Tsipras Syriza
Mais lidas
Outras Notícias