A carregar o vídeo ...
Em direto Negócios Iniciativas

Glocal Matosinhos | Pensar Global Agir Local

Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

França e Espanha pisam o risco do défice. Alemanha continua a dar o exemplo

Paris e Madrid vão furar as metas e continuarão em défice excessivo, assim como Helsínquia. Roma fará pior do que o previsto. Lisboa fica em cima do limite de 3%, o valor mais baixo desde 2007, mas ainda acima da previsão do Governo.

25 de Fevereiro - Schäuble: 'A questão agora é saber se podemos acreditar no Governo grego. Existem muitas dúvidas
Eva Gaspar egaspar@negocios.pt 05 de Novembro de 2015 às 13:28
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

As novas previsões da Comissão Europeia sugerem que, em termos de disciplina orçamental, o exemplo continuará a vir quase só e exclusivamente de Berlim.

Não obstante a pressão financeira resultante da vaga migratória, a Alemanha deverá terminar este ano com um excedente orçamental de 0,9% do PIB, que deverá porém ser menor nos anos seguintes: 0,5% e 0,4%, respectivamente.

De acordo com as previsões de Outono, entre os 19 países da Zona Euro só outros dois surgem com as finanças públicas equilibradas (Luxemburgo - 0%) ou ligeiramente positivas (Estónia, com excedente de 0,2%).

Em todos os outros 16 países da união monetária, os Estados continuam a ter despesas superiores ao que recolhem em receitas, sendo que quatro deles – Grécia (4,6%), Espanha (4,7%), França (3,8%) e Finlândia (3,2%) – devem terminar o ano com défices excessivos, ou seja acima de 3%. À excepção da Finlândia, Bruxelas prevê que estes países permaneçam em défice excessivo por pelo menos mais um ano. Já no caso de França, a derrapagem prosseguirá, que estará assim em vias de voltar a romper o compromisso assumido com os parceiros do euro de controlar o défice abaixo de 3% em 2017, ano de eleições presidenciais.

Itália, a terceira maior economia do euro, apresentará um défice mais elevado do que o previsto (2,6% neste ano e de 2,3% no próximo) mas sem furar o limite de 3%. Lisboa ficará em cima desse limite neste ano. Trata-se do valor mais baixo desde 2007, que apenas havia sido antes alcançado em 1999, mas ainda acima da previsão do Governo (2,7%). O primeiro-ministro Pedro Passos Coelho assumiu como "ponto de honra" fechar o ano com um défice inferior a 3%.

Ver comentários
Saber mais Comissão Europeia Alemanha Zona Euro défice França Espanha 3% previsões de Outono finanças públicas
Outras Notícias