Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Grécia: Mais desemprego, défice e dívida e de volta à recessão

A incerteza e a indecisão durante a primeira metade deste ano degradou a economia, o emprego e a situação das finanças públicas gregas.

Reuters
Negócios com Lusa 05 de Novembro de 2015 às 11:27
  • Assine já 1€/1 mês
  • 33
  • ...

Bruxelas estima que a Grécia vai fechar o ano em recessão e que a contracção do PIB se prolongue em 2016, apontando o dedo à espiral de incerteza gerada pela incapacidade de Atenas de fechar com sucesso o segundo programa de assistência, a que se seguiu o referendo de Junho último, o fecho dos bancos e o controlo de capitais e, por fim, a inevitabilidade de um terceiro resgate.

"A economia grega construiu um ímpeto positivo em 2014. No entanto, a conclusão mal-sucedida do segundo programa de ajustamento, o referendo convocado em Junho de 2015 [sobre se o Governo deveria negociar ou não com os credores um novo programa], o fecho dos bancos que se seguiu e a introdução de controlo de capitais geraram incerteza e deterioraram a perspectiva de crescimento", indica a Comissão Europeia nas suas previsões económicas de outono, hoje divulgadas.

 

Nas suas previsões de Primavera, divulgadas em Maio, a Comissão ainda estimava um crescimento do PIB grego de 0,5%.


"Apesar da incerteza, o PIB real ainda cresceu 1% na primeira metade de 2015. Este resultado inesperado reflecte com toda a certeza uma antecipação do consumo por parte de consumidores receosos quanto à perda dos depósitos. Também reflecte uma quebra nas importações, à medida que o crédito comercial diminuiu significativamente, e vai ter um impacto retardado na produção", escreve o executivo comunitário.

 

A Comissão espera uma "recuperação ao longo de 2016, apoiada numa melhoria da confiança, na estabilização do sector financeiro que se seguirá à recapitalização dos bancos esperada para finais de 2015, e o consequente relançamento do investimento e dos projectos de privatização".

 

"Ainda assim estima-se que a economia grega vai contrair-se 1,3% em 2016, impactada por efeitos de 2015. Em 2017, o crescimento do PIB vai ganhar velocidade e está estimado em 2,7%, à medida que as reformas estruturais realizadas fortaleçam a procura", salienta.


A taxa de desemprego da Grécia, nas previsões de Bruxelas, deverá baixar de 26,5% em 2014 para os 25,7% este ano (mais uma décima do que o previsto), mas subindo novamente para os 25,8% em 2016.


Quanto às finanças públicas, a Comissão vê sinais de deterioração: o défice previsto para este ano nas previsões de primavera era de 2,1%, mas passou agora para 4,6%. Apenas em 2017, o défice deverá chegar aos 2,2%.

 

A dívida pública grega, que se agravou para 177,1% do PIB em 2014, deverá aumentar para os 194,8% este ano. Em 2016 atinge valores ainda mais altos: 199,7% do PIB.


A queda dos preços vai permanecer mas moderar (-1,0% neste ano contra -1,4% de 2014), devendo passar a ser positiva em 2016 (1%) e em 2017 (0,9%).

Ver comentários
Saber mais Bruxelas Grécia previsões Outono recessão desemprego
Outras Notícias