Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Samaras propõe reabrir televisão pública para evitar crise política

Partidos que formam a coligação governamental estiveram reunidos esta segunda-feira e o primeiro-ministro terá garantido que vai propor a reabertura da televisão e rádio estatal.

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 17 de Junho de 2013 às 19:53
  • Partilhar artigo
  • 3
  • ...

O primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, terá esta segunda-feira anunciado aos líderes dos partidos aliados no Governo que está disponível para “rapidamente” proceder à reabertura da estação de televisão e rádio públicas ERT.

 

A informação não é ainda oficial, mas está a ser avançada pelas agências de notícias internacionais, como a Reuters e a AFP, que citam fontes do Governo presentes na reunião do líder do Nova Democracia com os parceiros de coligação, Pasok e Esquerda Democrática.

Samaras cedeu na decisão, que tinha tomado de forma unilateral, para evitar uma crise política que poderia conduzir à queda do Governo.

 

Contudo, como nota a Reuters, Samaras insistiu que a ERT precisa de ser reestruturada, para começar uma nova companhia, de dimensão mais reduzida.

 

O primeiro-ministro terá ainda admitido efectuar uma remodelação governamental no final de Junho e reforçar o acordo de Governo com os partidos aliados.

 

Antes deste encontro, o Pasok e a Esquerda Democrática tinha tecido fortes críticas à decisão de Samaras em encerrar a ERT. “As movimentações feitas para impressionar, através da violação de princípios básicos da maioria parlamentar, não são reformas”, disse Evangelos Venizelos, o líder do Pasok.

 

O Esquerda Democrática, através de um comunicado, também já falou sobre a postura de Samaras na questão da televisão pública helénica. E admitiu um problema na coligação. “Se nas palavras e nas acções – tal como no discurso incendiário de Samaras de hoje [domingo]–, os parceiros de governo são evitados, então a coesão do governo está em risco”, indicou a força política, a mais pequena entre as que compõe o Executivo, num comunicado citado pelo “The New York Times”.

Ver comentários
Outras Notícias