Zona Euro Syriza: Atenas está a travar luta contra a "extorsão e tácticas de asfixia"

Syriza: Atenas está a travar luta contra a "extorsão e tácticas de asfixia"

O Governo grego está a travar "uma luta contra a extorsão e contra tácticas de asfixia sem precedentes", afirmou hoje o secretário do Syriza, Tasos Koronakis, numa referência às negociações de Atenas com os credores.
Syriza: Atenas está a travar luta contra a "extorsão e tácticas de asfixia"
Bloomberg
Lusa 24 de junho de 2015 às 19:28

As instituições credoras - Comissão Europeia (CE), Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) - parecem ter-se distanciado esta quarta-feira, 24 de Junho, da última proposta do Governo grego (no que toca às despesas e às receitas). Esta mesma proposta foi classificada na segunda-feira pelo Eurogrupo, em Bruxelas, como uma "boa base" para um acordo.

 

Os media gregos publicaram hoje um documento do FMI com correcções ao texto da proposta gregas, no qual o Fundo rejeitava - entre várias outras questões - que o governo grego se limite a aumentar as receitas do sistema de pensões através do aumento das prestações para a Segurança Social. Também insiste numa poupança global com um peso equivalente a 1% do Produto Interno Bruto (PIB).

 

Após a reunião do Secretariado Político do Syriza - partido lidera por Alexis Tsipras (na foto), Koronakis afirmou que o último plano do governo grego demonstra a sua vontade em chegar a uma solução, ao incluir elementos "dolorosos" para o povo grego. No entanto, o partido considera que estão dentro dos "limites da resistência" da sociedade grega. Koronakis acrescentou que o Syriza não aprovará um acordo que não inclua um programa de crescimento e a reestruturação da dívida, o que no seu entender cumpre o mandato que o povo grego lhe deu em Janeiro nas eleições legislativas antecipadas.

 

Já o ministro de Estado grego, Alekos Flaburaris, sublinhou que o executivo propôs um plano que coloca a carga nas classes mais altas da sociedade grega e protege os mais pobres. Flaburaris classificou como "absurdas" as contrapropostas dos credores. Segundo a imprensa grega, as instituições voltaram a exigir um aumento global das receitas com o IVA, no valor de 1% do PIB em 2016, enquanto Atenas tinha proposto 0,74%.

 

O FMI considera que o plano grego se centrou demasiado em aumentar a pressão fiscal, com subidas do IVA e dos impostos sobre as empresas, e não em reduzir o gasto público (por exemplo cortando nas pensões). Face a esta posição, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, questionou hoje a vontade do FMI de chegar a um acordo com Atenas.

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI