Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Tsipras: "A Grécia não pode ser chantageada"

No Parlamento grego, perante os deputados, Tsipras avisou que a Grécia não vai aceitar mais "ordens" e "sermões para fazer o seu trabalho de casa". Depois de vários dias pela Europa, rejeitou que tenha regressado a casa de mãos a abanar depois dos encontros com os líderes europeus.

Yannis Behrakis/Reuters
André Cabrita-Mendes andremendes@negocios.pt 05 de Fevereiro de 2015 às 16:42
  • Partilhar artigo
  • 32
  • ...

Foram as primeiras declarações públicas de Alexis Tsipras depois do Banco Central Europeu (BCE) decidir limitar o financiamento aos bancos gregos. 

 

"A Grécia não pode ser chantageada porque a democracia na Europa não pode ser chantageada", disse Alexis Tsipras esta quinta-feira, 5 de Fevereiro, no Parlamento grego.

 

No discurso, Tsipras salientou que a Grécia já não vai ouvir mais "sermões" dos parceiros europeus e credores internacionais.

 

"A Grécia não vai aceitar mais ordens, especialmente ordens através de emails. A Grécia já não é o parceiro miserável que ouve sermões para fazer o seu trabalho de casa. A Grécia tem a sua própria voz", afirmou.

 

Perante os deputados, anunciou também que pretende "colocar um fim de uma vez por todas" às políticas de austeridade da União Europeia, tal como prometeu aos gregos durante a campanha eleitoral.

 

E após o seu giro europeu pelas capitais europeias, onde apresentou os seus planos para a Grécia aos líderes europeus, rejeitou a ideia que regressou a casa de mãos a abanar.

 

"Em apenas uma semana ganhámos aliados como nunca o fizemos nos últimos cinco anos de crise", garantiu o primeiro-ministro grego.

 

Estas palavras surgem um dia depois do banco central ter anunciado que deixou de aceitar dívida grega como garantia para emprestar dinheiro aos bancos helénicos. 

 

O Governo grego acusou hoje o BCE de "pressão política" para que Atenas chegue a acordo com os parceiros europeus.

 

E depois de conhecida esta decisão do banco central, os investidores penalizaram Atenas. A bolsa grega chegou a afundar mais de 11%, com os bancos a perderem mais de 23% durante a sessão. Ao mesmo tempo, os juros da dívida grega chegaram a subir mais de 200 pontos base nos prazos de três e cinco anos.

 

Mais tarde, a bolsa fechou a cair 4,5%, com os bancos a perderem mais de 10%. Já os juros recuaram na sua tendência de subida e a taxa de juro de referência (10 anos) regista um ligeiro recuo.

 

Enquanto isso, o BCE aprovou uma linha de liquidez de emergência no valor de 60 mil milhões de euros para os bancos gregos, para assegurar a sua liquidez.

Ver comentários
Saber mais Alexis Tsipras Banco Central Europeu Grécia Europa União Europeia economia negócios e finanças política
Outras Notícias