Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Tsipras vai assumir a responsabilidade de dizer "o grande não" aos credores

O primeiro-ministro grego diz que, sem uma proposta viável, o seu Governo vai assumir a responsabilidade de recusar um acordo com os credores e dizer "o grande não" à continuação das políticas "catastróficas" para a Grécia.

A carregar o vídeo ...
Greece’s Tsipras Stands Firm on Debt Proposals
Rita Faria afaria@negocios.pt 17 de Junho de 2015 às 13:48
  • Assine já 1€/1 mês
  • 169
  • ...

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, garante estar preparado para assumir a responsabilidade de rejeitar um acordo com as instituições internacionais – caso estas mantenham exigências "inaceitáveis" - e dizer "o grande não" aos credores.

Com uma solução viável, "o Governo grego, eleito recentemente pelo povo, arcará com o custo de levar a cabo este difícil acordo", afirmou Tsipras, numa conferência de imprensa, esta manhã. Caso contrário, "vamos assumir a responsabilidade de dizer 'o grande não' ('the big no') à continuação das políticas catastróficas para a Grécia".

O chefe do Governo de Atenas insistiu que as propostas gregas vão ao encontro das metas orçamentais definidas pelos credores para 2015 e 2016 (o documento entregue por Tsipras no fim-de-semana fixa um excedente orçamental de 1% do PIB em 2015 e 2% em 2016, tal como os credores exigiam). No entanto, cabe ao Executivo de Atenas definir as medidas que permitirão alcançar esses objectivos.

"As nossas propostas garantem totalmente o cumprimento das metas orçamentais que as instituições credoras estabeleceram para 2015 e 2016. Mas a Grécia é um Estado soberano. O Governo grego tem um mandato recente e é da sua própria competência decidir como aplicar os impostos e onde encontrar o dinheiro", frisou o governante, em declarações aos jornalistas.

Alexis Tsipras deixou implícito que não vai ceder a mais nenhuma exigência dos credores, muito menos ultrapassar a "linha vermelha" definida pelo seu Governo e que diz respeito ao sistema de pensões. O

Se os líderes políticos da Europa insistirem nesta exigência incompreensível, vão assumir o custo de um desenvolvimento que não será benéfico para ninguém na Europa.
Alexis Tsipras
Primeiro-ministro da Grécia

primeiro-ministro considera "incompreensível" que os credores insistam em mais cortes nas pensões.

"Se os líderes políticos da Europa insistirem nesta exigência incompreensível, vão assumir o custo de um desenvolvimento que não será benéfico para ninguém na Europa", avisou Tsipras.

E continuou: "Nós só temos uma opção, que é encontrar uma solução que seja aceite e aprovada pelo Governo e pelo Parlamento. Se não temos um compromisso honroso, vamos dizer que não".

Alexis Tsipras falava numa conferência de imprensa, em Atenas, realizada após o encontro com o chanceler austríaco, Werner Faymann, que se mostrou solidário com Atenas, criticando algumas das medidas propostas pelos credores internacionais.

"Estou do lado da população grega que [estando numa] posição difícil lhe está a ser proposto mais coisas prejudiciais à sociedade", afirmou Faymann esta manhã, em declarações a uma estação do seu país, citadas pela Reuters.

"Sei que houve um número de propostas, também das instituições, que não acho que estejam em ordem", acrescentou. "Elevado desemprego, 30-40% [da população] sem planos de saúde e ainda ir subir o IVA dos medicamentos. As pessoas nesta situação difícil não podem entender isto". 

Ver comentários
Saber mais Alexis Tsipras Governo chefe do Governo de Atenas Executivo de Atenas Grécia Europa Werner Faymann economia negócios e finanças política
Outras Notícias