Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Costa e Passos Coelho partilham a maior carga fiscal de sempre

Podem ser diferentes em muita coisa, mas há um indicador que os junta: António Costa e Pedro Passos Coelho partilham o registo da maior carga fiscal desde que há dados do INE.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 39
  • ...
34,4% do produto interno bruto. Foi este o valor de impostos e contribuições entregue pelos portugueses, pelas empresas e outras entidades ao Estado em 2017. O Governo de António Costa igualou no ano passado a carga fiscal registada em 2015, o último ano de Pedro Passos Coelho enquanto primeiro-ministro, que já era o valor mais alto de sempre. Os dados são do INE. 

Para contar esta história é preciso recuar a Março deste ano. Nesse mês, o Negócios revelava que a carga fiscal de 2017 tinha sido de 34,7% com base nos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) na 1.ª notificação do Procedimento por Défices Excessivos. Este valor era o mais elevado em, pelo menos, 22 anos, ou seja, desde 1995, o ano em que começa a série histórica do gabinete de estatísticas. Superava, portanto, o valor de 34,4% de 2015.

Mas uma série de actualizações de dados estatísticos feitas esta sexta-feira, dia 21 de Setembro, com a divulgação da 2.ª notificação do Procedimentos por Défices Excessivos, levaram à revisão da carga fiscal. Uma das mudanças reside no crescimento do PIB que foi revisto em alta de 2,7% para 2,8%.

Afinal, no ano passado, os impostos e as contribuições sociais atingiram 34,4% do PIB. Este foi o mesmo valor registado em 2015. O Governo PS com o apoio parlamentar do BE, PCP e Os Verdes partilha assim como o anterior Governo PSD/CDS o marco histórico do indicador da carga fiscal. 

Isto não quer dizer que tenha sido atingido exactamente da mesma forma. A carga fiscal sobe quando os impostos aumentam, mas também quando o emprego cresce. Na actual legislatura o mercado de trabalho tem vindo a melhorar de forma evidente. Já nos impostos, houve aumentos em alguns impostos indirectos e reduções em alguns directos.


Estas revisões chegaram também ao número de 2016, que é agora de 34,1% (anteriormente 34,3%), pelo que a carga fiscal continua a registar um aumento entre o primeiro ano e o segundo ano da actual solução governativa de 0,3 pontos percentuais (anteriormente a subida era de 0,4 pontos percentuais).

Acresce que o valor de 2017 continua a falhar a meta do Governo estabelecida no Orçamento do Estado para 2017 que era de 34,1% do PIB.

De referir que, apesar desta revisão, os dados das contas nacionais de 2017 continuam a ser provisórios, ou seja, ainda não estão fechados e podem voltar a ser revistos. 

O conceito de carga fiscal corresponde à soma das receitas fiscais com as contribuições sociais, medida em percentagem do PIB. O método de cálculo preferencial do INE exclui as contribuições sociais imputadas desta conta. 
Ver comentários
Saber mais António Costa Pedro Passos Coelho PIB carga fiscal impostos contribuições impostos directos impostos indirectos
Mais lidas
Outras Notícias