Finanças Públicas Director do fundo de resgate europeu só está “preocupado” com Portugal

Director do fundo de resgate europeu só está “preocupado” com Portugal

Klaus Regling, que gere o fundo de resgate da União Europeia, diz que Portugal é o único país com que está preocupado, porque o Governo está a “reverter reformas” e a “tornar-se menos competitivo” por causa disso.
Director do fundo de resgate europeu só está “preocupado” com Portugal
Bloomberg
Bruno Simões 01 de julho de 2016 às 13:35

Depois de Schäuble, a Europa volta a avisar António Costa. Portugal é o único país que preocupa o director-geral do Mecanismo Europeu de Estabilidade, a entidade responsável pelos resgates aos países que integram a União Europeia e que substituiu o Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF). Em entrevista ao semanário alemão WirtschaftsWoche, publicada esta segunda-feira, Regling diz que "independentemente do Brexit", o "único país" com que está "preocupado é Portugal".

 

E porquê? Porque lá, em Portugal, "o Governo está a reverter as reformas" e "Portugal está outra vez a tornar-se menos competitivo em resultado disso", analisa Klaus Regling, reafirmando o que já havia sido dito pelas "instituições europeias" depois da última monitorização pós-programa. E a "falta de competitividade foi uma razão importante para a crise em Portugal", acrescenta. "Temos que prestar atenção ao que vai acontecer", remata, em declarações citadas pela France-Presse.

Na entrevista, percebe-se quais as medidas que estão a preocupar Regling: "os políticos portugueses subiram outra vez o salário mínimo e os salários à Função Pública" e "voltaram a reduzir o horário de trabalho". Adicionalmente, uma nova intervenção na banca, com a recapitalização da CGD, também poderá fazer descarrilar a execução orçamental deste ano (embora o Governo defenda que essa injecção de dinheiro não aumenta o défice, só a dívida). "Pode haver novos riscos orçamentais se o Governo resolver os problemas no sector bancário com apoio público", nota.

 

O aviso de Regling volta a colocar Portugal no espectro de um resgate poucos dias depois do ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, ter feito o mesmo. Numa conferência de imprensa na passada quarta-feira, Schäuble disse que se Portugal não cumprir as regras europeias poderá precisar de um segundo resgate. Inicialmente, a Bloomberg e a Reuters chegaram a noticiar que esse novo resgate iria mesmo acontecer.

 

As declarações de Schäuble foram desmentidas pelo Ministério das Finanças e fortemente criticadas pelos partidos que suportam o Governo (também foram censuradas por Passos Coelho). Surgem numa altura em que a Comissão Europeia discute a aplicação de sanções a Portugal devido ao desempenho orçamental do ano passado. Essas sanções deverão ser propostas no próximo dia 5 de Julho. A sua aplicação será depois decidida pelo Conselho da União Europeia.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI