Finanças Públicas Dívida de Portugal desce mas fica acima de 130% do PIB em 2016

Dívida de Portugal desce mas fica acima de 130% do PIB em 2016

A dívida pública de Portugal ficou acima dos 130% do PIB no passado, o que corresponde a um aumento face ao ano anterior. Ainda assim, representa uma redução face aos últimos trimestres.
Dívida de Portugal desce mas fica acima de 130% do PIB em 2016
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 21 de fevereiro de 2017 às 12:04
A dívida pública nacional, na óptica de Maastricht, atingiu os 241,1 mil milhões de euros, em Dezembro, o que corresponde a uma redução face ao mês anterior, um valor que já era conhecido. Já quando comparado com o mesmo mês do ano anterior, o valor está 4% mais elevado.

Esta terça-feira, 21 de Fevereiro, o Banco de Portugal publicou o boletim estatístico onde se consegue ver os dados da dívida em percentagem do produto interno bruto (PIB). Assim, os números revelam que a dívida pública se situou nos 130,5% do PIB no final do ano passado, quando em 2015 Portugal terminou com uma dívida que correspondia a 129% do PIB.

Ainda assim, a dívida em percentagem do PIB é a mais baixa desde o final do primeiro trimestre de 2016.

A beneficiar a evolução da dívida em percentagem do PIB esteve a evolução da economia no último trimestre do ano, período em que o PIB português cresceu 1,9% face ao mesmo período do ano passado. 

No dia 1 de Fevereiro, o Banco de Portugal tinha já revelado os dados do volume de dívida pública, tendo na altura explicado que o aumento de dívida pública foi financiado em quase sete mil milhões de euros pelas famílias, através de OTRV e certificados do Tesouro.

"Para o aumento da dívida pública contribuíram as emissões líquidas de títulos (11,2 mil milhões de euros), com destaque para as emissões de obrigações do Tesouro de rendimento variável (OTRV), um novo instrumento de dívida pública que permitiu captar cerca de 3,5 mil milhões de euros de aplicações das famílias. Adicionalmente, observou-se um aumento das emissões de certificados do Tesouro, também subscritos pelas famílias, num total de 3,4 mil milhões de euros".

O Estado amortizou antecipadamente mais 1.700 milhões de euros ao FMI, pagando metade do valor concedido pelo Fundo. O reembolso ocorreu após o BCP ter completado o pagamento do dinheiro injectado pelo Estado no banco.

Nos próximos meses, Portugal deverá registar uma descida significativa da dívida, já que o Estado já pagou metade da dívida ao Fundo Monetário Internacional (FMI), tendo reembolsado 1,7 mil milhões de euros. O reembolso ocorreu após o BCP ter completado o pagamento do dinheiro injectado pelo Estado no banco.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI