Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Endividamento da economia portuguesa baixa para mínimo de oito anos

O peso da dívida das famílias, empresas e Estado caiu para 367,67% do PIB no segundo trimestre deste ano. É preciso recuar a 2010 para encontrar valores mais baixos.  

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 22 de Agosto de 2018 às 11:55
  • Assine já 1€/1 mês
  • 11
  • ...

O endividamento do sector não financeiro em Portugal totalizou 721,1 mil milhões de euros no final do primeiro semestre deste ano, o que representa 367,67% do PIB, anunciou hoje o Banco de Portugal.

 

Apesar de, em valor nominal, o endividamento da economia portuguesa até estar com tendência de alta (atingiu mesmo um máximo histórico em Maio), em termos de peso no PIB (que é o indicador mais relevante para medir o endividamento) a trajectória é claramente de descida.

 

O peso de 367,7% representa uma descida de dois pontos percentuais face ao registado no final do primeiro trimestre (369,7% do PIB) e de quase 14 pontos percentuais no espaço de um ano (381,6% em Junho de 2017).

 

Apesar desta descida acentuada, em valor o endividamento do sector não financeiro recuou apenas 200 milhões de euros entre Junho do ano passado e Junho deste ano. Na comparação com o final de 2017, o endividamento do sector não financeiro aumentou 5,3 mil milhões de euros, reflectindo o acréscimo do endividamento do sector público.

 

Empresas e famílias menos endividadas

É preciso recuar ao último trimestre de 2010 (quando se situou nos 365,1% do PIB) para encontrar um rácio mais baixo, e o actual nível de endividamento da economia portuguesa está já bem afastado do máximo histórico atingido no segundo trimestre de 2013 nos 427,7% do PIB.

 


A desalavancagem da economia portuguesa é transversal a todos os sectores, embora continue a ser mais forte no privado do que no público.

 

A dívida do sector público não financeiro (não é comparável com dívida pública) caiu para 162,1% em Junho, o que representa uma redução superior a 6 pontos percentuais face ao registado em Junho do ano passado (168,4%).

 

No que diz respeito ao sector privado não financeiro, a descida foi mais acentuada (quase oito pontos percentuais para 205,5% do PIB). As famílias baixaram o endividamento para 72,4% do PIB e as empresas privadas viram a dívida baixar para 133,1% do PIB.

 

No caso das famílias trata-se do endividamento mais baixo desde, pelo menos, 2017 (primeiro ano para o qual o Banco de Portugal disponibiliza dados) e está sobretudo relacionado com a descida do endividamento através de crédito à habitação (baixou para 50,5% do PIB).

 

No caso das empresas, o endividamento em percentagem do PIB também é o mais baixo desde 2007 (pelo menos).

O endividamento do sector não financeiro (famílias, empresas e Estado) em Portugal totalizou 721,1 mil milhões de euros no final do primeiro semestre deste ano, o que representa 367,67% do PIB. Apesar de, em valor nominal, o endividamento da economia portuguesa até estar com tendência de alta (atingiu mesmo um máximo histórico em Maio), em termos de peso no PIB (que é o indicador mais relevante para medir o endividamento) a trajectória é claramente de descida.

 

O peso de 367,7% representa uma descida de dois pontos percentuais face ao registado no final do primeiro trimestre (369,7% do PIB) e de quase 14 pontos percentuais no espaço de um ano (381,6% em Junho de 2017). É preciso recuar ao último trimestre de 2010 (quando se situou nos 365,1% do PIB) para encontrar um rácio mais baixo, e o actual nível de endividamento da economia portuguesa está já bem afastado do máximo histórico atingido no segundo trimestre de 2013 nos 427,7% do PIB.

Não tem sido pelo sector público que o endividamento total da economia tem descido de forma notória nos últimos tempos. A dívida do sector público não financeiro (não é a mesma coisa que dívida pública) caiu para 162,1% em Junho, o que até representa uma redução superior a 6 pontos percentuais face ao registado em Junho do ano passado (168,4%). Mas, como é evidente no gráfico em cima, não se afastou ainda de forma notória dos máximos históricos dos anos mais recentes, o que espelha as dificuldades do Estado em reduzir o seu endividamento.

A dívida do sector privado não financeiro (famílias e empresas) tem vindo a descer de forma ininterrupta desde 2012 e atingiu em Junho um novo mínimo desde que o Banco de Portugal começou a recolher estes dados (2007). No espaço de seis anos a descida é já superior a 50 pontos percentuais.

 Nas empresas públicas a descida do endividamento começou a ganhar ritmo em 2012, situando-se em Junho deste ano abaixo dos 22% do PIB. Persiste ainda acima dos valores registados há 10 anos, quando estava abaixo dos 20%.

A dívida pública portuguesa baixou em Junho para 125,8% do PIB, um valor apenas uma décima acima do verificado no final de 2017, mas ainda longe da meta definida pelo Governo para este ano. Desde 2012 que a dívida pública medida em percentagem do PIB tem oscilado em torno dos 130% do PIB, quase o dobro do registado em 2007.

Nas empresas privadas a tendência é claramente de queda no endividamento, que representava 133% do PIB em Junho deste ano. É o valor mais baixo desde que o Banco de Portugal começou a recolher estes dados (2007) e situa-se quase 40 pontos percentuais abaixo do máximo atingido em 2013.  

Entre as famílias portuguesas a redução do endividamento também ganhou força a partir de 2012 e está em mínimos desde 2007. Em Junho situava-se em 72,4%, o que compara com os 95% registados em 2010. A descida das taxas de juro por parte do BCE deu um contributo relevante para a desalavancagem dos particulares, mas a crise também levou os portugueses a reduzirem o consumo e a compra de casa com recurso ao crédito.    

 

Medida em percentagem do rendimento disponível, o endividamento das famílias também tem descido de forma acentuada. Até 2016 o valor da dívida era superior ao rendimento disponível, o que espelhava a forte alavancagem das famílias portuguesas e a descida do rendimento disponível nos anos em que foram aplicadas as medidas de austeridade mais gravosas.

O crédito à habitação representa a grande fatia do endividamento das famílias. Em Junho situava-se em 65,2% do PIB (90% do total), o que representa o valor mais baixo desde 2012. Em 2007, ainda antes do "boom" do recurso ao crédito por parte dos portugueses para a compra de casa, o peso no PIB era de 50%.

O endividamento total para comprar casa está em queda, mas as famílias voltaram a acumular mais dívidas para consumir. Em Junho, o "stock" total do endividamento das famílias para consumo atingiu 26.745 milhões de euros, o que equivale a 21,9% do PIB, o que é o nível mais elevado desde 2015. Ainda assim abaixo do registado em 2007, quando superava um quarto do PIB.

 

Ver comentários
Saber mais Banco de Portugal dívida das famílias
Mais lidas
Outras Notícias