Finanças Públicas Fitch: "Aumentos significativos da despesa" podem levar a redução do "rating"

Fitch: "Aumentos significativos da despesa" podem levar a redução do "rating"

É o segundo alerta em dois dias. A Fitch voltou esta quinta-feira a alertar que o "rating" de Portugal pode ser revisto em baixa, caso se verifiquem "aumentos significativos da despesa".
Fitch: "Aumentos significativos da despesa" podem levar a redução do "rating"
André Tanque Jesus 28 de janeiro de 2016 às 10:17

Se Portugal apostar em grandes aumentos da despesa, o "rating" poderá ser revisto em baixa. Este é um novo alerta da Fitch, que salientou já estar à espera que o orçamento de António Costa fosse demasiado expansionista. Mas descarta qualquer impacto vindo da Grécia, graças às políticas do BCE.

Há apenas dois dias, a Fitch emitiu uma nota na qual caracterizava como "optimistas" os pressupostos do esboço do Orçamento do Estado para 2016. Agora, Douglas Renwick diz que "o orçamento apresentado ficou praticamente em linha com o que prevíamos", uma vez que "as nossas estimativas já eram pessimistas" face às do anterior Governo.

Declarações feitas pelo director sénior da Fitch e responsável pela análise a Portugal, durante uma conferência que decorreu esta quinta-feira, 28 de Janeiro, em Lisboa. E o responsável da agência de notação financeira fez questão de deixar um alerta: "aumentos significativos da despesa" podem levar a Fitch a rever em baixa o "rating" de Portugal.

 

Actualmente, a Fitch classifica a dívida portuguesa em "BB+", com uma perspectiva "positiva". Este é o último nível da classificação conhecida como "lixo", que a agência atribui a Portugal desde 2014. E o facto de demorar tanto a colocar a dívida nacional numa classificação de "investimento" já mereceu algumas críticas de estrategos de bancos de investimento.

 

Contudo, Douglas Renwick diz que "não é incomum ter uma perspectiva ‘positiva’ ou ‘negativa’ por dois anos". O responsável da agência de notação financeira aponta que, relativamente a Portugal, "precisamos de ter a certeza que o Governo continua comprometido em atingir os objectivos de médio prazo".

 

Na terça-feira, 26 de Janeiro, a Fitch já tinha emitido um relatório onde abria a possibilidade de rever em baixa o "rating" de Portugal, por considerar que o Orçamento socialista assenta em pressupostos de crescimento "irrealistas" que elevam o risco de falhar a redução do défice para 2,6%.

 

Grécia não é uma ameaça sistémica

 

Se a Grécia espoletou no passado fortes abalos em toda a Zona Euro, com diversos avanços e recuos no ajustamento orçamental, o impacto destes é agora muito inferior, defende Douglas Renwick. E mesmo "se a Grécia sair da Zona Euro, isso não irá criar uma crise sistémica", defende o especialista.

Uma perspectiva justifica pelas políticas expansionistas do BCE, graças às quais "esse risco [de contágio sistémico] diminuiu". Contudo, há outras ameaças à Zona Euro. "Estamos um pouco pessimistas para o crescimento na Europa no longo prazo", diz Douglas Renwick, apontando o dedo à flexibilidade orçamental a que assistimos agora na região. Ainda assim, conclui, "acreditamos que isso será apenas temporário", para responder a tópicos como a migração e o terrorismo. 

(Notícia actualizada às 11:16)

 

A carregar o vídeo ...

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI