Finanças Públicas FMI quer novo brilharete no défice

FMI quer novo brilharete no défice

Portugal vai conseguir alcançar a meta do défice de 0,7% este ano, mas Governo deve ser mais ambicioso, diz o Fundo Monetário Internacional. Revisão duradoura na despesa e reforma das carreiras públicas permitiriam uma consolidação maior.
FMI quer novo brilharete no défice
O Fundo Monetário Internacional (FMI) recomenda ao Governo que procure um défice ainda mais baixo do que o definido este ano. Em vez do objectivo de 0,7%, que tem a oposição do PCP e BE, o défice deve ser ainda mais baixo em 2018, defende no relatório feito ao abrigo do Artigo IV (de avaliação aos países que pertencem ao Fundo) e publicado esta quinta-feira.

"As autoridades devem ambicionar ir além da meta oficial para o saldo orçamental em 2018", afirma a equipa liderada por Alfredo Cuevas. A recomendação surge num momento em que o Governo está a preparar o último orçamento da legislatura e depois de os "brilharetes" orçamentais terem acentuado as críticas dos parceiros parlamentares e levantado, também, vozes contra no PS.

A estratégia do Governo de deixar para 2020 e 2021 (já numa nova legislatura) a maior parte do ajustamento não é bem vista pelo FMI.

Primeiro porque é de esperar um ambiente económico menos favorável, com crescimentos em torno dos 1,5%. E em segundo porque antecipar esse ajustamento pode criar "espaço de manobra valioso, agora e para o futuro", para lidar com responsabilidades que venham a ser exigidas nos próximos anos (como novas injecções no Novo Banco).

Nesse sentido, e "para evitar esta política orçamental pró-cíclica", Portugal deveria antecipar para 2018 e 2019 a maior parte da consolidação, procurando melhorar o saldo estrutural primário (exclui efeito do ciclo económico e juros da dívida) em 1% até 2019, diz o FMI.

FMI quer corte na despesa
Para o FMI, o ajustamento deve basear-se numa revisão duradoura da despesa pública e numa reforma "bem desenhada" da Administração Pública, que procure "melhorar o nível e a composição do emprego público".

Embora seja expectável que o défice volte a cair (depois de, em 2017, ter ficado nos 0,9% do PIB, sem a injecção na Caixa Geral de Depósitos), "parte do ajustamento estrutural vai ser revertido", afirma.

Segundo o FMI, o saldo estrutural primário vai agravar-se em 0,3% do PIB este ano. "A pressão dos salários na despesa vai ser forte", afirma a equipa de Cuevas, sobretudo depois de o Governo ter decidido descongelar as progressões nas carreiras da Administração Pública e continuar o regresso gradual às 35 horas de trabalho no sector público. Embora admita que os custos com progressões venham a aumentar, os peritos, que deixaram Lisboa na semana passada, não consideram a contagem de parte do tempo de serviço dos professores.

Ainda assim, o FMI diz que é possível cumprir a meta do défice este ano e admite que no próximo ano também seja. Para 2019, o Fundo estima que o défice seja apenas 0,1 pontos percentuais acima do projectado pelo Governo – mas com um crescimento económico menos acentuado. Mário Centeno espera que a economia cresça 2,3% em 2019 e que o défice seja de 0,2% do PIB. O FMI antecipa um défice de 0,2%, mas com o PIB a subir 1,8%.

A pressão do Fundo para baixar ainda mais o défice, e mais depressa, vai contra as posições  mais recentes do BE e do PCP e enfrenta resistência dentro do próprio PS. Antes da apresentação do Programa de Estabilidade 2018-2022, em Março, João Galamba, que era na altura porta-voz do PS, defendeu que "o país dispensa brilharetes orçamentais". Quando apresentou o documento, em Abril, o Governo definiu uma meta mais ambiciosa do que a prevista no Orçamento do Estado. A revisão em baixa do défice, de 1,1% para 0,7%, foi criticada pelo PCP e BE, que defendiam que a diferença (de cerca de 800 milhões de euros) fosse aplicada na melhoria dos serviços públicos e na reposição de rendimentos.

Tome nota

Os outros alertas do FMI na rentrée

Além da recomendação para mais consolidação orçamental, o FMI pronuncia-se sobre outros dossiês  da governação e deixa alertas nas áreas da habitação, saúde e pensões. 

não há sobreavaliação na habitação
Depois de uma queda de 18% entre 2010 e 2013, os preços da habitação aumentaram 20% em termos reais, especialmente em Lisboa, Porto e Algarve. Embora as transacções tenham sido feitas sobretudo por estrangeiros, as compras financiadas por empréstimos feitos a residentes estão a crescer. Ainda assim, o FMI diz que não há sobreavaliação no mercado imobiliário. Ainda assim, as autoridades devem continuar a acompanhar o tema, defende o Fundo no relatório

saúde: dívidas em atraso por resolver
Injectar fundos públicos no sector da saúde para amortizar dívidas em atraso (cerca de 1,4 mil milhões em 2017-2018) não chega para criar resultados duradouros. Segundo o Fundo, o Governo devia atacar a raiz do problema: a suborçamentação do sector. A falta de acompanhamento e de fiscalização também são problemas, considera.

Mudanças nas pensões pedem novas medidas
As alterações nas pensões antecipadas que prevêem alargar os alívios nas penalizações a quem tem mais de 40 anos de contribuições podem aumentar as necessidades de financiamento da Segurança Social no curto prazo. Embora a equipa de Alfredo Cuevas considere que a medida é "justificável", defende que deve ser acompanhada por outra medida que "crie poupanças". Na resposta ao FMI, o Governo lembra que parte das receitas do IRC (cerca de 70 milhões de euros este ano) estão consignadas ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS).




pub

Marketing Automation certified by E-GOI