Finanças Públicas INE: Recessão com a troika foi maior do que se pensava

INE: Recessão com a troika foi maior do que se pensava

O INE reviu em baixa o valor do PIB em 2012, 2013 e 2014. O PIB nestes anos foi, afinal, entre 0,7 pontos e 1 ponto percentual mais baixo do que o estimado até agora. Consequências: a recessão durante a intervenção da troika foi, afinal, maior e o peso do "stock" da dívida pública também. Crescimento de 0,9% de 2014 mantém-se.
INE: Recessão com a troika foi maior do que se pensava
Miguel Baltazar/Negócios
Rui Peres Jorge 26 de março de 2015 às 12:54

O rendimento gerado pela economia portuguesa em 2012 foi menor do que se pensava até agora, o que significa que a recessão nesse ano foi superior, mas também que PIB anual dos anos seguintes também foi inferior, com diferenças que chegam a 1.800 milhões de euros em 2013, por exemplo.

 

Além de uma recessão maior durante os anos do programa de ajustamento, a revisão que foi avançada pelo INE implica impactos significativos nos valores das variáveis orçamentais, em particular da dívida pública, que quando medida em percentagem do PIB aumenta.

 

Os "resultados finais para 2012 [para os quais o INE apresentou dados quinta-feira, dia 26 de Março ] correspondem a uma revisão em baixa do nível do PIB em cerca de 0,7%, revelando assim uma crise económica mais acentuada que a reflectida pelos resultados preliminares", explica o INE, dando conta que a variável mais afectada foi o investimento, lê-se numa nota enviada à imprensa

 

As alterações têm também impacto no PIB de 2013 e 2014, "conduzindo à revisão nominal do nível do PIB em -1,1% em 2013 e -0,8% em 2014", diz ainda o INE, que sublinha no entanto que a taxa de crescimento real do PIB no ano passado face a 2013 mantém-se em 0,9%. Não é dada informação sobre 2013.

 

Economia caiu 4% em 2012

 

Segundo as contas do INE, o PIB português terá caído 4% em 2012 em termos reais e não os 3,3% estimados até agora. Se for descontado o efeito da variação dos preços, então o PIB nominal caiu 4,4% nesse ano e não os 3,7 estimados antes, o que se traduz num nível de PIB, a preços de 2012, de 168.398 milhões de euros: uma redução de 1.270 milhões de euros ao rendimento que se julgava ter sido produzido nesse ano na economia portuguesa.

 

Em 2013 e 2014, o INE ceifou outros 1.816 milhões de euros e 1.331 milhões de euros aos respectivos PIB nominais (reduções de 1,1% em 2013 e 0,8% em 2014), mas não revela quais os impactos em termos de nível de PIB real, os quais dependem do cálculo da evolução dos preços na economia em cada um dos anos (conhecidos por deflatores do PIB).

 

A falta de informação sobre os deflatores não permite, portanto, calcular as revisões de taxas de crescimento reais registadas, para inferir qual foi afinal o PIB perdido por Portugal durante o conjunto dos anos de recessão (2010-2013). Até agora, a perda real do PIB verificada durante esse período situava-se num nível inferior, mas próximo de 7% (a que se seguiu uma recuperação de 0,9% em 2014). Cálculos do Negócios assumindo deflatores semelhantes no período 2010-2013 apontam para um perda de PIB no período mais próxima dos 8%.  

 

O INE justifica a revisão em baixa do PIB essencialmente por uma melhor contabilização de operações com impacto no investimento que foi, afinal, mais baixo do que se antecipava.

 

"Esta revisão [do PIB de 2012] tem origem, essencialmente, na componente Investimento" e resulta da "disponibilidade de um maior volume de informação e um maior detalhe" sobre operações com impacto no investimento, nomeadamente "situações de exportação de bens de equipamento para filiais no estrangeiro, de bens de equipamento usados, de reexportação, ou ainda captar informação mais sólida sobre variação de existências, agora com um contributo negativo para o PIB", explica o INE. O mesmo se passa relativamente a 2013 e 2014.

 

Peso da dívida sobe e ultrapassa as 130% do PIB

 

A recessão maior que o esperado e os correspondentes níveis de PIB inferiores em 2012 e anos seguintes têm implicações significativas nas variáveis orçamentais medidas em percentagem do PIB, em particular na dívida pública. É alias esse efeito que explica uma boa parte da revisão em alta do "stock" de dívida pública anunciado pelo INE também na quinta-feira, dia 26 de Março.

 

Segundo o instituto, o peso da dívida no PIB em 2014 foi de 130,2% do PIB, uma revisão de 1,5 pontos face aos 128,7% considerados como referência, e publicados pelo banco de Portugal. Cerca de dois terços do aumento resulta da revisão em baixa do PIB. No défice orçamental, as diferenças devido ao efeito PIB são de apenas algumas décimas.

  

(Notícia em actualizada às 14h30)




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI