A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Oliveira Martins diz que "é prematuro" falar sobre a forma de saída do programa de resgate

O presidente do Tribunal de Contas afirmou hoje no Parlamento que, neste momento, "é absolutamente fundamental defender o contribuinte português", considerando que "é prematuro" definir uma forma de saída do resgate.

Sofia Henriques
Lusa 04 de Fevereiro de 2014 às 20:26
  • Assine já 1€/1 mês
  • 10
  • ...

"Neste momento, na recta final do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro de Portugal, torna-se absolutamente fundamental defender o contribuinte português, saindo nas melhores condições, ou seja, saindo com juros que não sejam incomportáveis e desajustados", afirmou Oliveira Martins na comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública, onde foi hoje a ser ouvido a propósito do parecer do TdC sobre a Conta Geral do Estado.

 

O presidente do TdC disse que a "preocupação essencial" da instituição é "contribuir para que os contribuintes em Portugal sejam considerados com justiça nesta saída do programa de assistência" e acrescentou que "é prematuro estar a dizer como se sai ou como não se sai".

 

Guilherme d'Oliveira Martins argumentou que "os mercados estão aí e são de uma sensibilidade extrema" e disse que a decisão sobre a forma como Portugal terminará o seu programa de resgate "cabe a todas as instituições que estão envolvidas".

 

O presidente do Tribunal de Contas respondia a uma questão levantada pelo deputado socialista Pedro Nuno Santos sobre se a austeridade imposta aos portugueses em 2012 e nos anos que se seguiram "vale a pena".

 

"Vale a pena esta austeridade? Vale a pena cumprir a meta desta maneira, impondo este nível de destruição à economia e ao emprego?", lançou Pedro Nuno Santos.

 

Na mesma comissão, o deputado social-democrata Cristóvão Crespo considerou que "é necessário perceber a situação de contexto para fazer uma análise mais global", apontando que o contexto na Europa era de recessão.

 

"O senhor deputado [do PS Pedro Nuno Santos] perguntava se a austeridade valeu a pena, mas qual é a alternativa à austeridade?", respondeu Cristóvão Crespo.

 

Já o BE, nas palavras do deputado Pedro Filipe Soares, destacou as "afirmações fortes" feitas no parecer do TdC à Conta Geral do Estado de 2012, referindo a omissão de 1.045 milhões de euros em benefícios fiscais por parte do Governo.

 

"O Governo não está a contar a história toda e é por isso que a Conta Geral do Estado é importante", afirmou Pedro Filipe Soares.

 

 

Ver comentários
Saber mais Oliveira Martins prematuro programa de resgate
Outras Notícias