Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PS: “Único resultado positivo” na execução orçamental deve-se ao “enorme” aumento de impostos

Óscar Gaspar assinala que há derrapagem na despesa, que cresce acima da receita, que o IVA continua em queda e que o Estado já gastou este ano mais de 2 mil milhões de euros com subsídios de desemprego.

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 24 de Outubro de 2013 às 20:22
  • Assine já 1€/1 mês
  • 17
  • ...

O Partido Socialista (PS) entende que os dados da execução orçamental, divulgados esta quinta-feira pela Direcção Geral do Orçamento, são negativos e mostram que este ano “não há qualquer consolidação orçamental”, pois o “défice é exactamente igual ao do ano passado”.

 

Esta ideia foi transmitida por Óscar Gaspar, porta-voz do PS para os assuntos de finanças públicas, depois do Ministério das Finanças ter anunciado que o défice provisório das Administrações Públicas ficou 2,96 mil milhões de euros abaixo do limite acordado no Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF).

 

“O único resultado positivo” da execução orçamental surge devido ao “enorme aumento de impostos”, disse Gaspar, destacando que a receita com IRS subiu mais de 33% em Setembro.

Pela negativa o porta-voz do PS salienta que o saldo da administração central situou-se nos 5 mil milhões de euros, mais 371 milhões do que no ano passado, sendo que a despesa (1,8%) cresceu acima da receita (1%).

 

Por outro lado, a receita do IVA continua a cair, o que “dá nota da evolução da actividade económica” e o investimento público cai 30%.

 

Gaspar destacou ainda que a despesa do Estado com pagamento de subsídio de desemprego ultrapassa 2 mil milhões de euros, sendo que existem cerca de meio milhões de portugueses desempregados sem apoio financeiro.

 

O mesmo responsável acusou o Governo de não explicar aos portugueses de por que é preciso um Orçamento Rectificativo se diz que a execução está a correr bem e salienta a derrapagem na despesa de 800 milhões de euros, sendo que metade deste valor diz respeito a consumos intermédios.

 

Esta é a “execução de um orçamento que já não existe, que está a ser remodelado e comprova que a receita do governo tem falhado em termos de finanças públicas”, acrescentou.

 

 

Ver comentários
Saber mais Partido Socialista Direcção Geral do Orçamento Óscar Gaspar Ministério das Finanças Administrações Públicas Programa de Ajustamento Económico e Financeiro Orçamento Rectificativo
Outras Notícias