Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Seguro insiste na mutualização da dívida e acusa Passos de preferir aliar-se a Angela Merkel

O líder socialista, António José Seguro, voltou este sábado a defender a mutualização da dívida, acusando o Governo de recusar combater ao lado do PS por esta proposta, preferindo ter como aliado "a agenda neoliberal" de Angela Merkel.

Bruno Simão/Negócios
Lusa 29 de Março de 2014 às 21:34
  • Assine já 1€/1 mês
  • 53
  • ...

"Temos um Governo que nem tem ideias, nem tem estratégia, porque não tem vontade política, nem vontade para ir à procura de aliados. O Governo português só tem um aliado: a agenda neoliberal da senhora Merkel", disse o secretário-geral socialista, António José Seguro, este sábado, 29 de Março, no encerramento da conferência "Novo Desenvolvimento", organizada pelo partido num hotel em Lisboa.

 

Recuperando a questão da mutualização da dívida, António José Seguro recusou a ideia de que sejam os europeus a pagar a dívida portuguesa.

 

Contudo, sublinhou, é importante ter em conta que 15 dos 18 países que fazem parte da união económica e monetária têm uma dívida pública superior a 60%, o ‘limite' definido pelos tratados.

 

"Essa é uma razão suficiente para dar uma resposta europeia ao problema das dívidas públicas, não apenas por causa desse rácio, mas também porque é necessário dar um sinal aos mercados e combater a especulação", defendeu, preconizando que o Banco Central Europeu financie directamente os Estados, emprestando dinheiro ao mecanismo europeu de estabilidade.

 

Pois, explicou, o que acontece agora é que o Banco Central Europeu empresta dinheiro aos bancos comerciais, que por sua vez emprestam dinheiro aos Estados, mas a uma taxa de juro muito mais elevada.

 

"Isto não é aceitável", vincou, considerando que se a Europa se encarregar de gerir a parte superior aos 60% da dívida de todos os 15 países, "a taxa de financiamento dessa dívida será mais baixa do que se for cada um por si".

 

"Compreendo que os países que não têm este problema sejam menos sensíveis, o que eu não aceito é que o primeiro-ministro do nosso país não seja sensível e se tenha recusado a combater ao lado do PS para que essa proposta possa ser aceite no seio da União Europeia", acrescentou o líder socialista.

Ver comentários
Saber mais António José Seguro Passos Coelho mutualização da dívida
Outras Notícias