Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

UTAO estima défice de 4,7% com medidas extraordinárias e sem resolução do BES

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) estima que o défice em contabilidade nacional em 2014 se tenha situado em 4,7% do PIB com operações de natureza extraordinária, mas sem contar eventuais impactos da resolução do BES.

Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 05 de Março de 2015 às 17:45
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

"Estima-se que o défice em contabilidade nacional se tenha situado em 4,7% do PIB [Produto Interno Bruto], 3,7% do PIB excluindo operações de natureza extraordinária", afirmam os técnicos da UTAO, numa nota sobre a execução orçamental de Janeiro deste ano a que a agência Lusa teve hoje acesso.

 

De fora da estimativa para o défice de 2014 apurada pela UTAO ficou "qualquer impacto da subscrição de capital do Novo Banco pelo Fundo de Resolução, realizada no terceiro trimestre, por não ser ainda possível antecipar o efeito final" da medida no ano passado, justificam os técnicos.

 

"Recorde-se que este impacto dependerá do valor e da data em que se venha a concretizar a venda do Novo Banco, o que poderá determinar um acréscimo do défice para o conjunto do ano em cerca de 2,8 pontos percentuais do PIB", afirmam os especialistas.

 

Entre as medidas extraordinárias que contribuíram para agravar o défice num ponto percentual, a UTAO destaca "pela sua dimensão", o financiamento e a assunção de dívida da Carris e da STCP, realizados no segundo trimestre, num montante equivalente a 0,7% do PIB.

 

Os especialistas que apoiam os deputados recordam que a estimativa de 4,7% com medidas extraordinárias está em linha com as previsões mais recentes do Governo, inscritas no Orçamento de Estado para 2015 (OE2015), que antecipavam um défice de 4,8% do PIB no ano passado.

 

A UTAO afirma ainda que a confirmar-se este valor central o défice em contabilidade nacional (o intervalo da estimativa da UTAO varia entre os 4,5% e os 4,9%, o que corresponde a um défice ajustado de operações extraordinárias entre 3,5% e 3,9% do PIB), "este terá melhorado face ao registado em 2013", considerando um défice em termos globais nesse ano de 4,9% do PIB. 

 

"Considerando resultados ajustados de medidas extraordinárias, a redução do défice em termos homólogos terá sido, por esse motivo, mais significativa, na ordem dos 1,4 pontos percentuais, de 5,1% para 3,7% do PIB", diz a UTAO.

 

Os especialistas justificam a redução homóloga do défice orçamental com uma "execução mais favorável ao nível da receita fiscal e contributiva, induzida pela recuperação da actividade económica e pelo combate à fraude, à evasão fiscal e à economia paralela, cujos valores ainda se encontram por determinar com exactidão".

 

O défice em contas nacionais, a óptica dos compromissos, é a que conta par Bruxelas, é apurada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que prevê divulgar este indicar no final de Março.

 

Ver comentários
Saber mais Produto Interno Bruto UTAO Novo Banco Fundo de Resolução Orçamento de Estado
Mais lidas
Outras Notícias