Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Seguro: Governo “não tem mandato” e “legitimidade” para aplicar os cortes do FMI

Líder do PS avisa Passos Coelho que o Governo não tem mandato” nem “legitimidade” para aplicar os cortes do FMI e que deve tirar as devidas conclusões destas declarações. O que o primeiro-ministro “prometeu aos portugueses” quando ganhou as eleições “não é aquilo que está a pensar executar”, avisou Seguro.

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 11 de Janeiro de 2013 às 18:34

Líder do PS avisa Passos Coelho que deverá tirar as devidas conclusões das suas declarações: o que o primeiro-ministro “prometeu aos portugueses” quando ganhou as eleições “não é aquilo que está a pensar executar”, avisou António José Seguro, depois de Passos Coelho ter hoje dito precisamente o contrário.

 

António José Seguro entende que o Governo liderado por Pedro Passos Coelho “não tem mandato” e “não tem legitimidade” para aplicar as propostas que contam no relatório do FMI, nem para cortar 4 mil milhões de euros nas despesas do Estado social, pois não foi isso que prometeu aos portugueses quando venceu as últimas eleições legislativas.

 

Em declarações aos jornalistas, transmitidas pelas televisões, o líder do Partido Socialista (PS) repetiu por diversas vezes esta ideia de que o Governo não tem mandato e legitimidade para aplicar a receita do FMI, sem nunca ter esclarecido se iria pedir eleições caso o Governo avance nesse sentido.

 

Mas deixou o recado: “espero que o governo saiba o que quer dizer esta minha declaração”, afirmou Seguro, mostrando desta forma abertura para pedir eleições e apresentar uma moção de censura. Questionado se essa moção de censura será mesmo apresenta pelo PS, respondeu que “terei muito gosto em responder à sua pergunta” se o Governo avançar com os cortes.

 

Os “portugueses não votaram no FMI para governar Portugal”, acrescentou Seguro,

Portugueses não votaram no FMI para governar Portugal
 
António José Seguro

afirmando que o que Passos Coelho “prometeu aos portugueses não é aquilo que está a pensar executar” e que o que está no relatório do FMI é o contrário do que Passos Coelho disse aos portugueses antes das eleições. E repetiu que o primeiro-ministro “deve ter bem presente as palavras que estou a dizer”.

 

Considerou que a receita que o Governo está a aplicar em Portugal “não está a dar resultados”, o “caminho é errado” e persistir nele vai aumentar a espiral recessiva. “Temos que mudar de caminho” e isso passa por uma “agenda para o crescimento e emprego”.

 

Assinalou que é só para essa agenda que o PS está disponível e será nesse sentido que irá continuar a apresentar propostas, pois Portugal precisa de uma agenda para o crescimento e emprego, além do rigor e disciplina orçamental.

 

Seguro considera que “há um caminho alternativo” ao que está a ser seguido pelo Governo e que só o Executivo de Passos Coelho não integra este consenso.

Confrontado com o facto de o relatório do FMI não ser da responsabilidade do Governo, Seguro respondeu que “não fui eu que elogiei o relatório do FMI. Foi o governo. Houve cooperação entre governo e o FMI” na elaboração do documento.

“Não contem com o PS para desmantelar o Estado social. O PS não será cúmplice para um corte de 4 mil milhões de euros nas funções sociais do Estado. Coisa diferente é modernizar o Estado. Queremos um Estado mais eficiente”, mas da parte do Governo “não há vontade em reformar o Estado, mas sim em desmantelar o Estado”, acusou.

 

Lembrou que as alternativas já propostas pelo PS passam também por pedir mais

Não contem com o PS para desmantelar o Estado social. O PS não será cúmplice para um corte de 4 mil milhões de euros nas funções sociais do Estado. Coisa diferente é modernizar o Estado
 
António José Seguro

tempo para efectuar a consolidação orçamental, o pagamento de taxas de juro mais baixas e mais tempo para pagar a dívida. “Sem isso não há condições para crescimento económico” e com “criação de riqueza há espaço para baixar o défice”.

Quanto à alegada indisponibilidade do PS para integrar uma comissão parlamentar para debater a reforma do Estado, Seguro não se quis comprometer, respondendo aos jornalistas que “digo claramente não a um corte de 4 mil milhões de euros para as funções sociais do Estado”. O “PS está a apresentar propostas para sairmos da crise” e o Governo “cruza os braços”.

 

“Acham que não era este o momento de termos uma liderança no governo para mobilizar os portugueses?”, questionou Seguro, revelando que o PS vai continuar a apresentar propostas e a dialogar com os portugueses, “mostrando que há caminho alternativo”. “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”, rematou. 

Ver comentários
Saber mais António José Seguro Pedro Passos Coelho FMI
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio