Orçamento do Estado FMI critica salário mínimo e sugere “imposto negativo”

FMI critica salário mínimo e sugere “imposto negativo”

Há instrumentos mais eficazes para ajudar os trabalhadores com salários mais baixos, diz o FMI, que sugere a adopção de um imposto “negativo” em Portugal.
FMI critica salário mínimo e sugere “imposto negativo”
Elisabete Miranda 05 de novembro de 2014 às 15:37

Crítico assumindo do aumento do salário mínimo em Portugal, o Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou esta quarta-feira à carga: a recente decisão foi "prematura" e deverá mesmo prejudicar os trabalhadores menos qualificados. Para o FMI, se o Governo quer elevar os rendimentos de quem menos ganha, deve adoptar um crédito fiscal – o chamado "imposto negativo".

 

No relatório que faz a análise sobre a evolução da economia portuguesa, libertado esta quarta-feira, o FMI lamenta que "o ímpeto de reforma global, em especial em áreas cruciais para a competitividade externa, pareça ter enfraquecido desde o fim do programa". Neste contexto, é citado o exemplo do aumento do salário mínimo, que no mês passado subiu dos 485 euros para os 505 euros brutos, com o qual o FMI nunca concordou.

 

Segundo os técnicos, a decisão tomada em concertação social foi "prematura" e, dada a vulnerabilidade do mercado de trabalho português, deverá dificultar a vida aos trabalhadores menos qualificados, quer na manutenção dos seus postos de trabalho, quer em encontrar novas ocupações.

 

Acrescenta o FMI, naquela que acaba por ser uma novidade nas suas mensagens, que há políticas mais eficazes para aumentar o rendimento dos trabalhadores com menores rendimentos, incluindo a adopção de um "imposto negativo" - "earned-income tax credit", na terminologia anglo-saxónica.

 

O FMI não chega a desenvolver a proposta, mas a ideia será fixar um patamar mínimo de rendimento a que todos os trabalhadores com determinadas características familiares terão direito, e garantir que todos o obtêm, nomeadamente através da atribuição de um crédito fiscal. As formas para concretizar este objectivo são diversas, podendo passar tanto pelo IRS como pela atribuição de subsídios públicos.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI