Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PSD e CDS chumbam diploma dos professores e encerram crise política

PSD e CDS ajudaram o PS a chumbar a proposta que reconhecia mais de nove anos se serviço aos professores, o que aceleraria as suas progressões. O PCP e o Bloco de Esquerda votaram a favor e o PAN absteve-se.

Miguel Baltazar
  • Assine já 1€/1 mês
  • 10
  • ...

O PSD e o CDS chumbaram esta sexta-feira a proposta de alteração ao decreto de lei do Governo que reconhecia os mais de nove anos de serviço aos professores, depois de António Costa ter ameaçado demitir-se caso a proposta fosse aprovada em votação final global.

Na quinta-feira da semana passada, PSD e CDS tinham aprovado na especialidade a recuperação "integral" do tempo de serviço, num total 3.411 dias, embora sem calendário e sem a referência expressa a condições orçamentais.

O voto contra de PSD e CDS é justificado com o facto de o PS ter chumbado (juntamente com o Bloco de Esquerda e o PCP) as cláusulas que vinculavam a recuperação do tempo de serviço a critérios orçamentais. A condição foi imposta por Rui Rio, no domingo, dois dias depois da ameaça de António Costa.

A proposta do PSD, que tinha sido chumbada na especialidade mas que foi esta sexta-feira chamada a plenário - tendo sido chumbada por PS, PCP e BE - determinava que a recuperação deveria "tendencialmente" ser considerada de forma proporcional ao crescimento da economia e que ocorreria "observado o respeito pela regra da despesa contida no Pacto de Estabilidade e Crescimento". Já a do CDS consagrava de forma expressa a "possibilidade de revisão do Estatuto da Carreira Docente".

"Não abdicamos destes princípios. Nunca o fizemos", disse Margarida Mano, do PSD. "Somos um partido de direitos e deveres, não somos um partido só de direitos", afirmou durante o debate. "Aqui no Parlamento os deputados do PS que prometeram em 2017 o tempo todo aos professores" são os mesmos que inviabilizaram na semana passada "as cláusulas de responsabilidade financeira que agora avocámos".

O PCP lembrou que as normas de salvaguarda do CDS e do PSD implicariam a revisão da carreira docente dos professores. "Viabilizar isto seria passar um cheque em branco para a destruição de carreiras conseguidas com a luta dos trabalhadores", disse a deputada Ana Mesquita, que ainda desafiou o PSD e o CDS a votar favoravelmente o diploma, para mostrar "o PS não os meteu no bolso".

O que perdem os professores

Com o chumbo da proposta, os professores perdem a consagração expressa da recuperação dos nove anos, quatro meses e dois dias (3411 dias), que na versão que saiu da especialidade não tinha qualquer calendário.

Perdem ainda a antecipação dos dois anos, nove meses e 18 dias, que nos termos da proposta que saiu das votações de quinta-feira da semana passada seriam reconhecidos com efeitos retroativos a 1 de Janeiro de 2019, embora só fossem pagos em 2020.

O decreto do Governo, que ficará assim em vigor, estabelece um calendário mais lento para a recuperação desses quase três anos, com efeitos que variam consoante os casos, mas que podem começar em 2019, 2020 ou 2021.

Ver comentários
Saber mais professores CDS PSD
Mais lidas
Outras Notícias