Função Pública Rio: Preferir contratar a aumentar salários mostra que austeridade não acabou

Rio: Preferir contratar a aumentar salários mostra que austeridade não acabou

O líder do PSD, Rui Rio, afirmou hoje que a preferência do primeiro-ministro em usar folgas orçamentais para contratar funcionários públicos em vez de aumentar salários demonstra que a austeridade não acabou, "transferindo-se para os serviços públicos".
Rio: Preferir contratar a aumentar salários mostra que austeridade não acabou
Lusa 14 de maio de 2018 às 13:20

"Isso é de certa forma é uma confissão de que nós estamos na mesma em austeridade, agora é de outra forma e é o reconhecimento de que os serviços estão carenciados de serviços humanos. Na prática, é assim que eu interpreto o que [o primeiro-ministro] está a dizer", afirmou Rui Rio aos jornalistas, no Porto, à margem de uma visita a duas residências universitárias.

 

O primeiro-ministro e líder do PS, António Costa, admite, numa entrevista ao DN este fim-de-semana, discutir "no momento próprio" propostas de aumentos salariais na função pública, mas prefere usar eventuais folgas orçamentais a contratar funcionários públicos.

 

Esta posição contraria as pretensões dos parceiros do PS no apoio parlamentar ao Governo minoritário (PCP, BE e PEV), mas António Costa admite que, para o Orçamento do Estado de 2019, é necessário encontrar equilíbrios entre as várias posições, prometendo, porém, que continuarão a ser descongeladas as carreiras na função pública.

 

Para o líder social-democrata, Costa "diz isso em função de uma situação que se vive, porque, de raiz, todos nós preferimos aumentar os salários, dar melhores condições de vida às pessoas", particularmente aos funcionários públicos.

 

"Hoje, onde é que os portugueses notam a austeridade? Notam no défice de recursos humanos que há em muitos serviços, particularmente no Serviço Nacional de Saúde", acrescentou Rio.

 

O ex-presidente da Câmara do Porto disse ainda que Costa "equaciona dessa forma porque tem consciência que austeridade passou a ser transferida para os serviços".

 

O líder partidário defendeu ser necessário encontrar "equilíbrio desses dois factores: repor recursos humanos na medida em que são necessários, e ao mesmo tempo procurar, dentro daquilo que orçamentalmente for possível, repor o valor da inflação nos salários".

 

"Vamos ter de conseguir um equilíbrio entre aquilo que é a recuperação de rendimentos, que vai ter de prosseguir para os funcionários como para todos os portugueses, e preencher muitas carências que há na administração", afirmou o primeiro-ministro ao DN, referindo-se ao aumento de 350 milhões previstos no Programa de Estabilidade de aumento de despesa com o conjunto da administração pública.

 




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI