Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ginásios reclamam que regras de IVA "têm que ser iguais para todos"

Associação dos ginásios e academias revela que o volume de negócios do sector caiu 14% num ano com a subida do IVA para 23%, pedindo igualdade de tratamento face ao golfe.

Miguel Prado miguelprado@negocios.pt 15 de Março de 2011 às 12:22
  • Assine já 1€/1 mês
  • 7
  • ...
A AGAP – Associação dos Ginásios e Academias de Portugal reclama, na sequência da descida do IVA para a prática de golfe para 6%, que as regras fiscais na prática de actividades desportivas "têm que ser iguais para todos".
"Não temos nada contra os interesses do golfe, do ténis nem de outras modalidades. Mas a actividade física não deveria ser taxada à taxa máxima [23%]", disse ao Negócios o presidente da AGAP, José Luís Costa.

O mesmo responsável revelou que a associação entregará em breve aos grupos parlamentares um estudo que mostra que com a subida do IVA nos ginásios para 23% houve, entre Fevereiro do ano passado e Fevereiro deste ano, uma quebra do volume de negócios do sector de 14%, que em algumas regiões do País chegou a 30%.

"Não tem cabimento", diz José Luís Costa, acrescentando que no espaço de um ano, segundo uma pesquisa da AGAP, cerca de 60 mil pessoas abandonaram os ginásios em Portugal.

A mesma associação defende que o IVA aplicável aos ginásios (em todas as actividades aí desenvolvidas) regresse aos 6%, o que permitiria uma recuperação do volume de negócios e, consequentemente, da arrecadação fiscal por parte do Estado.

"Caso o governa desconheça, a indústria do “fitness” a nível europeu gera mais receitas que o próprio futebol – 22 mil milhões versus 15 mil milhões de euros", aponta a AGAP num comunicado.
Ver comentários
Saber mais IVA ginásios golfe
Mais lidas
Outras Notícias