Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

José Tavares: Europa deve criar imposto europeu que substitua parte dos nacionais

O economista José Tavares defendeu a criação de um imposto europeu que substitua parte dos impostos pagos a nível nacional, uma medida que ia dotar a União Europeia (UE) de mais recursos e aproximar os cidadãos a Bruxelas.

União Europeia planeia maior vigilância em torno de casamentos por conveniência
Lusa 28 de Março de 2013 às 00:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

José Tavares, que falava numa conferência sobre patriotismo e exílio fiscal, em Lisboa, afirmou que "devia haver um montante de impostos que substitua os impostos nacionais e que seria cobrado pela União Europeia", acrescentando, no entanto, que "as instituições europeias têm pavor disto".

 

Já à margem da iniciativa do Instituto de Direito Económico, Financeiro e Fiscal (IDEFF), José Tavares explicou à agência Lusa que a ideia "nunca seria aumentar impostos", mas antes "baixar os impostos em cada Estado nacional e aumentar a parte europeia para financiar bens públicos comuns europeus".

 

O exemplo apontado pelo economista foi a entrada ilegal de imigrantes em Itália, considerando que este é um problema da Europa e não de Itália, pelo que os custos deviam ter sido suportados por todos os Estados. Mas, para isso, "a Europa precisa de mais recursos".

 

Além disso, acrescentou o economista da Universidade Nova de Lisboa, há ainda o sentimento de identificação e a aproximação dos cidadãos europeus à Europa. "Se as pessoas virem na sua declaração de impostos um valor europeu, vão exigir aos seus deputados europeus que funcionem de outra maneira. Ia haver uma maior aproximação e uma maior identificação dos cidadãos da Europa à Europa", disse.

 

Sublinhando que "a imagem que os cidadãos têm da Europa é uma série de mecanismos e de reuniões", José Tavares disse, na sua intervenção no debate, que "falta alma e falta pensamento à Europa".

 

Para o economista, "é muito importante ter uma figura importante mas com capacidade de acção limitada, que as pessoas tenham capacidade de amar e de odiar", porque "se a Europa não perceber que precisa de mais irracionalidade, não vai existir Europa".

 

Em relação a Portugal, José Tavares criticou as elites políticas, que são "muito acomodadas e mudaram pouco nos últimos anos" e disse que, se a classe política não mudar, Portugal "poderá ir pelo caminho de Espanha ou da Grécia, em termos de violência".

Ver comentários
Saber mais Europa imposto europeu José Tavares
Mais lidas
Outras Notícias