Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portugal e Espanha trocam informações sobre IRS, IRC ou IVA a partir 2014

Para combater a fraude fiscal, a partir de 2014, Portugal e Espanha vão trocar automaticamente informações sobre IRS, IRC ou IVA de pessoas e empresas com operações transfronteiriças, segundo um protocolo hoje assinado em Lisboa.

Bruno Simão/Negócios
Lusa 21 de Outubro de 2013 às 14:21
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...

"O acordo operacionaliza, pela primeira vez, um procedimento automático de troca de informações em matéria tributária entre as duas administrações fiscais", explicou o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, após a cerimónia que contou com a presença do seu homólogo espanhol, o secretário de Estado da Hacienda, Miguel Ferré.

 

A informação a trocar entre os dois países abrange os impostos directos, como o IRS e IRC - nomeadamente os lucros de empresas que deslocalizam a sua sede, dividendos, juros pagos ou rendimentos obtidos com uma actividade profissional -- e os impostos directos como o IVA, nomeadamente transacções de bens, serviços prestados e reembolsos de IVA a não residentes.

 

O protocolo hoje assinado, que tem efeitos imediatos mas deverá estar operacional a partir de 2014, segundo esclareceu Paulo Núncio, prevê a "obrigatoriedade" das administrações fiscais de ambos os países reportarem à sua congénere os rendimentos auferidos por contribuintes residentes no outro Estado.

 

As operações que vão ser alvo de particular atenção são as suspeitas de fraude e de evasão fiscais, as que envolvem rendimentos não declarados ou manipulação de preços e as relativas a paraísos fiscais, destacando-se ainda uma "monitorização reforçada" das empresas que operam em setores considerados de risco como os transportes de mercadorias ou a compra de bens para revenda.

 

Além da troca de informações, Portugal e Espanha comprometeram-se também a prestar assistência administrativa mútua, tendo assinado um segundo protocolo: "Pela primeira vez, funcionários da Autoridade Tributária vão acompanhar acções de fiscalização em Espanha de empresas portuguesas que operam no mercado espanhol", explicou o Paulo Núncio.

 

O espanhol Miguel Ferré e Paulo Núncio disseram ser "muito difícil" calcular o valor da economia paralela e os benefícios que os dois protocolos vão trazer a ambos os países, mas o governante português disse estar convencido que "vai ter resultados muito significativos no futuro".

Ver comentários
Saber mais secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Paulo Núncio secretário de Estado da Hacienda Miguel Ferré Espanha Autoridade Tributária
Outras Notícias