Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Passos: Problema da restauração foi a quebra da procura e não o IVA

Foi a quebra de procura que afectou o negócio da restauração, e não o aumento do IVA de 13% para 23%. Passos Coelho não excluiu que o imposto possa ser reduzido mas também não quis alimentar expectativas de que isso venha a acontecer.

5.º- Pedro Passos Coelho
Primeiro-ministro cai dois lugares na tabela. A negociação com a troika foi transferida para Portas.
Bruno Simões brunosimoes@negocios.pt 09 de Outubro de 2013 às 21:45
  • Assine já 1€/1 mês
  • 47
  • ...

Passos Coelho foi questionado por uma comerciante, na entrevista à RTP, sobre uma eventual redução do IVA da restauração. O primeiro-ministro sublinhou que muitos comerciantes não repercutiram a subida do imposto nos seus produtos. Por isso, “o maior problema, dado que não houve repercussão, não está no imposto, está no facto de as pessoas estarem forçadas a fazer escolhas diferentes das que faziam”.

 

“Muitas pessoas deixaram de ter condições para ir aos restaurantes, e passaram a levara  refeição preparada para comer no seu local de trabalho. É esta quebra de procura que afecta a restauração”, sublinhou o primeiro-ministro. Sobre a redução do imposto, Passos sublinhou que “dentro do Governo iremos discutir essa matéria no Conselho de Ministros de amanhã e de domingo, essa matéria será discutida dentro do Governo”.

 

Passos disse que não está “a eliminar essa hipótese”, mas “simplesmente a não alimentar expectativas à volta disso”. E deixou um alerta, lembrando o estudo que foi conduzido sobre este imposto: ele “mostra que reduzir novamente o IVA da restauração tem impacto de perda de receita que não é negligenciável, está acima de 100 milhões de euros”. Por isso, se houver redução, “tenho que ter outra receita que substitua essa”.

 

Além disso, uma redução do IVA não implica uma redução de preços, alertou Passos Coelho, porque eles não foram actualizados para acompanhar o IVA. “O assunto irá ser debatido, precisamos de dar alguns sinais que possam em 2014 fortalecer o crescimento da economia, não sei se esse será um deles, não esta excluído mas não quero alimentar a expectativa”.

 

Para 2014, o Governo espera “em primeiro lugar que uma parte das pessoas que deixaram de ir ao restaurante” possam voltar a ir, “à medida que a perda de rendimento cessar”. “A procura interna que esperamos para o próximo ano está a estabilizar, uma parte desse problema será resolvido pelo facto de as pessoas estabilizarem os rendimentos”.

Ver comentários
Saber mais Passos Coelho restauração IVA Governo
Mais lidas
Outras Notícias