Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Carro de irmão de Sócrates pago por Carlos Santos Silva

O Público ouviu a gravação do interrogatório a Joaquim Conceição, presidente executivo do grupo Lena. Não houve alusões a eventuais subornos a Sócrates mas o gestor assumiu a existência de uma relação estreita entre o ex-primeiro ministro e Carlos Santos Silva.

Negócios 30 de Setembro de 2016 às 10:26
  • Partilhar artigo
  • 59
  • ...

Quando morreu, o irmão de José Sócrates acumulou rendas em atraso no valor de 30 mil euros com a Rentlei, uma empresa de rent-a-car do grupo Lena. O valor foi assumido pelo grupo e descontado a Carlos Santos Silva, o amigo do ex-primeiro ministro e um dos principais arguidos na Operação Furacão.

A história é contada esta sexta-feira pelo jornal Público, que teve acesso a mais de três horas de gravação do depoimento de Joaquim Conceição, presidente do grupo Lena, e é mais um episódio que dá conta da estreita relação que existia entre José Sócrates e Carlos Santos Silva, seu amigo de infância e que o Ministério Público sustenta ser seu testa-de-ferro.

Ao contrário do que tinha referido o Correio da Manhã, o Público garante que ao longo das três horas de gravação, Joaquim Conceição nunca fala do pagamento de subornos a José Sócrates e que, muitas das vezes, o presidente executivo do grupo Lena contrariou a tese do Ministério Público.

Mas Joaquim Conceição dá conta do seu desconforto com o que considerava ser um poder excessivo de Carlos Santos Silva, poder esse que o levou a assumir divergências com o vice-presidente Joaquim Barroca (também arguido).

Segundo o Público, Joaquim Conceição conta que, no âmbito da reestruturação do grupo, foram cortados os salários dos administradores e accionistas, à excepção do de Carlos Santos Silva. O empresário trazia negócios para o grupo, e tinha "os seus contactos". O presidente executivo ter-se-á mostrado ainda crítico do facto de Santos Silva e Joaquim Barroca decidirem a estratégia comercial do grupo sem se coordenarem com o resto da equipa. Contudo, nada terá dito sobre eventuais negócios intermediados por José Sócrates.

 

O interrogatório incidiu também sobre um negócio com o empresário luso-angolano Hélder Bataglia (também arguido). Em causa está o terreno do grupo Lena em Angola, conhecido como Kanhangulo, que foi acordado por 35 milhões de euros mas foi vendido por 20 milhões, já depois de o grupo ter retido um sinal de oito milhões de euros e ter dado o negócio sem efeito por incumprimento do comprador.

Joaquim Conceição reconheceu que o negócios foi "esquisito", e remeteu explicações para Carlos Santos Silva e Joaquim Barroca.

O Ministério Público acredita que os oito milhões de euros foram um estratagema para fazer passar fundos do GES para Carlos Santos Silva, que por seu turno os remeteria para Sócrates. 

Ver comentários
Saber mais Operação Marquês António Pinto de Sousa José Sócrates Ministério Público Joaquim Conceição
Outras Notícias