Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

MP investiga crimes de burla, abuso de confiança, falsificação de documentos, branqueamento de capitais e fraude fiscal no universo Espírito Santo

A Procuradoria-Geral da República revela que no âmbito das investigações ao universo Espírito Santo foram realizadas esta quinta-feira 34 buscas domiciliárias, uma a um advogado e seis a entidades relacionadas com o exercício da actividade financeira.

Rafael Marchante /Reuters
  • Assine já 1€/1 mês
  • 51
  • ...

Nas investigações ao universo Espírito Santo, dirigidas pelo Ministério Público, "estão em causa suspeitas dos crimes de burla qualificada, abuso de confiança, falsificação de documentos, branqueamento de capitais e fraude fiscal", revela um comunicado da Procuradoria-Geral da República.

 

O Ministério Público realizou esta quinta-feira, 27 de Novembro, diversas diligências, entre elas "34 buscas domiciliárias, uma a advogado e seis a entidades relacionadas com o exercício da actividade financeira".

 

"Participam nas buscas catorze magistrados do Ministério Público, do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) e do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, dois peritos deste departamento e duas centenas de elementos da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária (PJ) e da Autoridade Tributária (AT), entidades que coadjuvam o Ministério Público", refere o mesmo comunicado, acrescentando que o Ministério Público conta ainda com a colaboração do Banco de Portugal e da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários.

 

O processo que envolve o universo Espírito Santo decorre no Departamento Central de Investigação e Acção Penal e foi instaurado após uma participação do Banco de Portugal. O juiz Carlos Alexandre está a acompanhar as buscas na sede do BES em Lisboa.

 

O Negócios apurou que as buscas ao universo Espírito Santo visam actos de gestão do BES. Um dos actos visados é o rasto das obrigações emitidas pelo Banco Espírito Santo.

 

A investigação quer saber como foi feita a colocação e quem ficou com as mais-valias, tentando identificar o percurso do dinheiro envolvido na emissão de títulos de dívida do BES.

 

A colocação destas obrigações tem suscitado, aliás, várias notícias e na comissão de inquérito parlamentar já se abordou o assunto. O próprio presidente da CMVM, Carlos Tavares, admitiu no Parlamento que a história é complicada e difícil de explicar.

 

(Notícia actualizada às 16h48)

Ver comentários
Saber mais burla qualificada abuso de confiança falsificação de documentos branqueamento de capitais fraude fiscal Espírito Santo
Mais lidas
Outras Notícias