Justiça PJ detém dois inspectores da polícia por suspeitas de corrupção

PJ detém dois inspectores da polícia por suspeitas de corrupção

Foram detidos um inspector chefe no activo e um coordenador reformado. Processo estará relacionado com alegados subornos ligados ao tráfico de droga. Buscas decorreram em Lisboa e Porto, informa a PGR.
PJ detém dois inspectores da polícia por suspeitas de corrupção
Bruno Simão/Negócios
Negócios 05 de abril de 2016 às 12:32

A Polícia Judiciária (PJ) efectuou esta terça-feira a detenção de dois inspectores da própria PJ, num caso que estará relacionado com suspeitas de corrupção relacionadas com alegados subornos ligados ao tráfico de droga.

 

De acordo com a edição online da revista Sábado, a Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da PJ está a realizar em vários pontos do País um uma operação no terreno e já deteve o inspector-chefe Ricardo Macedo e o ex-coordenador Dias Santos.

 

A mesma fonte salienta que os processos estão relacionados com crimes de tráfico de estupefacientes, branqueamento de capitais e corrupção, estando o processo a ser investigado no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP). Trabalhavam ambos na Unidade Nacional de Combate ao Trafico de Estupefacientes (UNCT).

 

Segundo a SIC Notícias, o caso está relacionado com ligações a cartéis de droga, sendo que os dois serão suspeitos de receber dinheiro para deixar entrar droga no país.

 

Uma fonte policial disse entretanto à Lusa que há mais pessoas detidas no âmbito da mesma investigação e que esta decorria há vários anos. A fonte referiu que a investigação policial vai continuar e que tem sido "muito complexa e demorada".

 
Em comunicado, a PJ adianta que, no âmbito da Operação "Aquiles", foram detidos 15 homens, com idades entre os 39 e 61 anos, "por corrupção ativa e passiva para ato ilícito, branqueamento de capitais e tráfico de estupefacientes".

A operação mobilizou quase duas centenas e meia de elementos da PJ, assim como magistrados judiciais e do Ministério Público, tendo sido realizadas cerca de 120 buscas em todo o pais, refere a mesma nota de imprensa.

Num outro comunicado remetido pela Procuradoria Geral da República, refere-se que a operação decorre no âmbito de um inquérito em investigação no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e que desencadeou "buscas nas zonas de Lisboa e Porto, tendo sido emitidos mandados de detenção".

"Investigam-se, designadamente, suspeitas da prática dos crimes de corrupção ativa e passiva, tráfico de estupefacientes agravado, associação criminosa e branqueamento", refere o comunicado.

A Operação Aquiles está a cargo da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC), em colaboração com a UNCTE, em inquérito dirigido pelo DCIAP.

A investigação, segundo a PJ, vai prosseguir com vista à recolha de mais provas.

(notícia actualizada às 12:58 com mais informação)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI