Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Tribunal da Supervisão reduz e suspende coima aplicada ao BPP pelo BdP

O Tribunal da Supervisão condenou esta segunda-feira o BPP a uma coima de dois milhões de euros, que suspendeu na totalidade por três anos visando a "protecção dos credores", nomeadamente dos clientes, e João Rendeiro ao pagamento de 1,5 milhões de euros.

Jorge Paula/Correio da Manhã
Lusa 06 de Julho de 2015 às 12:55
  • Partilhar artigo
  • 7
  • ...

A juíza Cláudia Roque leu esta segunda-feira, 6 de Julho, a sentença do processo iniciado em Junho de 2014 no Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão, em Santarém, em que 10 dos 11 arguidos recorreram das coimas, com um valor global superior a 10 milhões de euros, decretadas pelo Banco de Portugal (BdP) em Outubro de 2013 por infracções como falsificação de contabilidade e prestação de informações falsas, entre outras.

 

A sentença absolve os directores que vinham condenados pelo BdP, nomeadamente Nuno Paramés e Rui Domingues, aos quais tinham sido aplicadas coimas de 75.000 e 90.000 euros, respectivamente (suspensas em cinco sextos do seu valor), e reduz as coimas aplicadas a Paulo Lopes (400.000) e Vítor Castanheira (190.000) para 125.000 euros suspensas na totalidade por três anos, tendo em conta o período em que foram directores e o curto espaço de tempo em que exerceram funções de administração.

 

Frisando que os directores "podem e devem ser responsabilizados", a juíza entendeu que o contexto particular do Banco Privado Português (BPP) - "um banco muito pequeno, muito hierarquizado" - fazia com que fossem "mais executantes", além de que, nos casos em apreço, emitiram "vários alertas à administração".

 

No caso do BPP, a juíza reduziu a coima de que o banco vinha condenado de três milhões de euros (suspensa em metade do seu valor por três anos) para dois milhões de euros, suspensa na totalidade pelo mesmo período, manteve a condenação de 2,5 milhões de euros à Privado Holding e reduziu a coima de que o ex-presidente e fundador do banco, João Rendeiro, vinha condenado, de 1.995.191,58 euros para 1,5 milhões de euros, mantendo a sanção acessória de inibição do exercício de cargos em qualquer instituição de crédito ou sociedade financeira pelo período de 10 anos.

Ver comentários
Saber mais João Rendeiro Banco Privado Português BPP Privado Holding banca Cláudia Roque Tribunal da Concorrência Regulação e Supervisão Banco de Portugal
Outras Notícias