Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsas dos EUA sobem mais de 1% após dados económicos

O Dow Jones fechou em máximos de 2007, num dia em que os principais índices bolsistas dos EUA valorizaram mais de 1%.

Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 27 de Fevereiro de 2013 às 21:19
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O Dow Jones subiu 1,26% para 14.075,37 pontos, atingindo o valor mais elevado desde Outubro de 2007. O Nasdaq avançou 1,04% para 3.62,257 pontos e o S&P500 cresceu 1,40% para 1.517,89 pontos.

 

A contribuir para a subida dos índices esteve a divulgação de um aumento de 4,5% do índice de vendas de casas em segunda-mão, quando os economistas previam um acréscimo de 1,9%.

 

Além disso, o Departamento do Comércio dos EUA revelou que, apesar das encomendas de bens duradouros terem caído mais do que o esperado, em Janeiro, reflectindo a maior descida de encomendas por equipamentos de defesa da última década, excluindo o segmento de transporte as vendas registaram o maior acréscimo do último ano.

 

A Bloomberg realça que o facto dos juros implícitos nas obrigações italianas estarem a cair, a reflectir alguma acalmia em relação aos receios provocados pelos resultados das eleições, também está a contribuir para a subida das bolsas americanas.

 

As acções da FedEx subiu 2,50% para 105,74 dólares, reagindo assim aos dados económicos que apontam para uma recuperação da economia americana.

 

A Priceline, a maior agência de viagens online por valor de mercado, subiu 2,57% para 695,91 dólares depois de ter anunciado lucros acima do esperado, com as receitas provenientes de fora dos EUA a justificarem a diferença.

 

Do lado oposto esteve a Apple, que perdeu 0,98% para 444,57 dólares, no dia em que se realizou a reunião anual de accionistas. O presidente executivo, Tim Cook, afirmou estar em negociações “muito, muito atractivas” sobre o dinheiro disponível na empresa. Contudo, os investidores ficaram sem saber o que está o CEO da fabricante do iPhone a pensar fazer, o que acabou por penalizar as acções, numa altura em que Tim Cook tem sido pressionado a distribuir pelos investidores parte dos 137,1 mil milhões de dólares disponíveis no balanço através de dividendos ou novas acções preferenciais.

Ver comentários
Saber mais Bolsas EUA Wall Street Dow Jones Nasdq S&P500
Outras Notícias