Política Portugal segue com "preocupação" situação no Paraguai

Portugal segue com "preocupação" situação no Paraguai

Portugal segue com "preocupação" os acontecimentos políticos no Paraguai, depois da destituição do presidente, disse hoje à Lusa o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros.
Lusa 25 de junho de 2012 às 16:43
"O Governo Português segue com preocupação os acontecimentos políticos no Paraguai, país amigo onde estiveram, bem recentemente, o Presidente da República, o primeiro-ministro e o ministro dos Negócios Estrangeiros, no quadro da Cimeira Ibero-Americana", disse à Lusa Miguel Guedes, porta-voz do MNE.

"A situação no Paraguai deve ser ponderada em concertação com todos os países amigos, dado nomeadamente as excelentes relações de parceria com aquele país que Portugal tem no quadro institucional ibero-americano", referiu ainda o porta-voz.

"É muito importante para o progresso da América Latina o valor da estabilidade. O Governo português está preocupado com o facto de o "impeachment" do Presidente Lugo, embora ao abrigo de uma norma constitucional, não ter assegurado as garantias adequadas e o tempo necessário à defesa do Presidente", concluiu Miguel Guedes.

Fernando Lugo, que foi destituído pelo congresso depois de ter sido submetido a um julgamento político pelo alegado mau desempenho das suas funções, garantiu perante a comunicação social que foi vítima de um "golpe de estado parlamentar" e que o governo de Franco carece de legitimidade.

Lugo anunciou ainda que se deslocará em representação do Paraguai à cimeira de chefes de Estado do Mercosul, em 28 e 29 de Junho em Mendoza, na Argentina, assim como a uma eventual reunião conjunta dos líderes deste bloco económico e dos líderes da Unasur (União das Nações Sul-Americanas).

O Mercosul suspendeu hoje o Paraguai do direito de participar na próxima cimeira, onde os Estados-membros deverão adoptar medidas contra o Paraguai em retaliação pela destituição.

Argentina, Brasil e Uruguai e os países associados do Mercosul emitiram um comunicado conjunto em que anunciaram a decisão de "suspender o Paraguai, de imediato o direito a participar na XLIII Reunião do Conselho do Mercado Comum e Cimeira de Presidentes do Mercosul".

Mas as pressões sobre o Paraguai não se circunscreveram ao Mercosul. Equador, Venezuela, Uruguai, Chile e Colômbia retiraram ou chamaram no domingo os seus embaixadores em Assunção, depois de no sábado várias capitais sul-americanas terem expressamente condenado a destituição de Fernando Lugo.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI