Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

S&P 500 recupera da maior queda semanal desde Novembro

Os mercados norte-americanos iniciaram a semana em alta animados ainda pelas conclusões do G20. Os responsáveis das Finanças do Grupo dos 20 comprometeram-se na sexta-feira a tomar medidas para impulsionar o crescimento global e dizem estar cientes dos efeitos negativos da flexibilização monetária.

Ana Luísa Marques anamarques@negocios.pt 22 de Abril de 2013 às 14:43
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

As bolsas dos Estados Unidos acompanham assim os ganhos que se registam hoje no Velho Continente e recuperam das fortes quedas registadas na passada semana.

 

O Dow Jones valoriza 0,11% para os 14.563,34 pontos, o Nasdaq ganha 0,34% para os 3.216,94 pontos e o S&P avança 0,1% para os 1.557,47 pontos após a maior queda semanal desde Novembro.

 

“Foi encorajador ver que não houve resistência do G20 às políticas monetárias do Japão. Os mercados estão optimistas e esperam que a flexibilização monetária e a fraqueza do iene se mantenham durante os próximos tempos", disse à Bloomberg a analista Veronika Pechlaner.  

 

Após a tomada de posse do novo governador, Haruhiko Kuroda, o banco central japonês reviu radicalmente a sua política e anunciou novas medidas de flexibilização monetária em termos “quantitativos e qualitativos”. Objectivo: tentar livrar o Japão da espiral deflacionista em que mergulhou há quase duas décadas.

 

A 4 de Abril, o Banco do Japão (BoJ) anunciou um novo e agressivo pacote de estímulos, assente na duplicação da base monetária ao longo de dois anos e na perseguição de um objectivo de 2% para a inflação.

 

Para atingir a meta de 2% de inflação, a entidade liderada por Haruhiko Kuroda vai intensificar a compra de activos, nomeadamente a aquisição de títulos de dívida do Governo japonês. O prazo médio dos títulos do Tesouro que o BoJ vai adquirir passará a ser de sete anos, em vez do actual tecto fixado em três anos.

 

No total, o banco nipónico vai realizar operações no mercado para que "a base monetária aumente a um ritmo anual de 60 a 70 mil milhões de ienes" (501.420 a 584.990 milhões de euros).

Ver comentários
Saber mais S&P 500 Estados Unidos Wall Street Dow Jones Nasdaq
Outras Notícias