Américas Trump afunda nas sondagens depois de polémica com gravação

Trump afunda nas sondagens depois de polémica com gravação

O candidato republicano caiu oito pontos na sondagem Reuters/Ipsos. Inquérito mostra que um em cada cinco republicanos considera que os comentários de Donald Trump sobre mulheres o desqualifica para a presidência dos EUA.
Trump afunda nas sondagens depois de polémica com gravação
Reuters

A sondagem da Reuters/Ipsos foi lançada no último domingo após o segundo debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos a nível nacional. Os resultados foram conhecidos esta terça-feira, 12 de Outubro, e revelam que Donald Trump, candidato do Partido Republicano, está oito pontos abaixo de Hillary Clinton, candidata do Partido Democrata, para os possíveis eleitores.

Hillary Clinton está assim a dilatar a sua vantagem em relação ao seu opositor, uma vez que na semana anterior a candidata democrata tinha uma vantagem de cinco pontos. Este inquérito realizado a pedido da agência Reuters revela também que, um em cada cinco republicanos considera que os comentários vulgares feitos por Donald Trump sobre mulheres o desqualifica da presidência dos Estados Unidos.


Na semana passada, foi divulgado um vídeo, gravado em 2005, em que Donald Trump fala sobre as mulheres em termos considerados vulgares e machistas. O presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Paul Ryan, desistiu na sexta-feira de aparecer publicamente, pela primeira vez, ao lado do candidato do Partido Republicano à Casa Branca, "indignado" com declarações machistas de Donald Trump.


Esta não é, contudo, a primeira sondagem que mostra um crescimento da diferença entre Clinton e Trump. O apoio a Donald Trump caiu a pique durante o último fim-de-semana, na sequência da divulgação de um vídeo com mais de 10 anos (datado de 2005) e em que o polémico candidato republicano realiza vários comentários sexistas. Mesmo depois dos vários pedidos de desculpa, as intenções de voto favoráveis ao magnata do imobiliário foram muito penalizadas por este novo incidente.

 O estudo de opinião levado a cabo pelo Wall Street Journal e pela NBC durante o último fim-de-semana mostra que a vantagem de Hillary Clinton, candidata democrata às presidenciais norte-americanas agendadas para o próximo mês de Novembro, subiu dos seis pontos percentuais verificados no último estudo (feito em Setembro) para 11 pontos.

Esta sondagem contempla também outros candidatos, o que reforça a convicção de vitória de Hillary Clinton, que nas últimas semanas tem conseguido algum distanciamento face ao seu rival apoiado pelo Partido Republicano, em especial depois de a antiga primeira-dama ter sido considerada a vencedora do primeiro debate com Trump.

No entanto, o estudo de opinião em causa não leva em conta o frente a frente realizado este domingo, e em que Clinton foi uma vez mais considerada a vencedora. Além de a generalidade das sondagens dar a vitória a Clinton neste debate, os analistas consultados pela CNN consideram que a antiga secretária de Estado no primeiro mandato do ainda presidente Barack Obama ganhou e que as ameaças de prisão feitas durante o debate por Trump à sua adversária foram claramente negativas para o multimilionário.

 

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI