Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Costa sobre Trump: “O mundo em 15 dias percebeu bem como precisa de uma Europa forte”

O primeiro-ministro reclama "uma Europa capaz de se afirmar no mundo no domínio da defesa, no domínio da política comercial, na política da gestão dos fluxos migratórios, e unida internamente".

Lusa 03 de Fevereiro de 2017 às 09:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...
O primeiro-ministro António Costa afirmou hoje, em La Valetta, que "bastaram duas semanas da nova presidência norte-americana" para o mundo perceber que precisa de "uma Europa forte", e disse esperar que da cimeira de Malta saia "um bom exemplo".

"Eu creio que para os mais cépticos bastaram duas semanas da nova presidência norte-americana para se perceber a importância de termos uma Europa forte e uma Europa unida. Uma Europa capaz de se afirmar no mundo no domínio da defesa, no domínio da política comercial, na política da gestão dos fluxos migratórios, e unida internamente", afirmou.

António Costa, que falava à saída de uma reunião dos socialistas europeus, imediatamente antes de participar numa cimeira informal de chefes de Estado e de Governo da UE que será consagrada à questão das migrações, disse esperar que a Europa possa "dar hoje ao mundo um bom exemplo de como a gestão dos fluxos migratórios pode ser feita de um modo diferente do que a politica de muros, que nada resolve e que simplesmente viola a dignidade dos seres humanos".

Apontando que a cimeira de hoje "será concentrada numa dimensão muito importante, que tem a ver com a dimensão externa da política migratória", designadamente o trabalho que se deve fazer com os países de África, subsaariana e mediterrânica, para "combater as causas profundas dos movimentos migratórios", o primeiro-ministro disse que é aí que a Europa se pode diferenciar da nova política de Washington.

"Claro que é preciso uma resposta à administração norte-americana, mas a melhor resposta à administração norte-americana é mostrar como a Europa é uma fortaleza contra os seus valores e é capaz de actuar unida para ter uma posição no mundo forte e diferenciada daquela que é a posição da presidência norte-americana, nomeadamente na gestão da imigração", disse.

Costa destacou também a "dimensão humanitária" da resposta a dar, "que permita aquilo que é essencial: que o Mediterrâneo não continue a ser um cemitério de vidas", e haja "uma gestão humanitária em colaboração com as Nações Unidas".

"A nossa resposta não é construir muros, não é banir nacionalidades de poderem vir à Europa", prosseguiu, afirmando que a resposta deve passar por essa "dimensão externa de investir, de contribuir para a paz, para a democracia, para a estabilização", sobretudo em África, e "é nessa resposta positiva que a Europa se diferencia da nova política" da Casa Branca.

Ainda sobre qual a posição que a Europa deve assumir face à nova administração norte-americana liderada por Donald Trump, o primeiro-ministro defendeu que, por um lado, se deve "saber preservar uma relação histórica que a Europa tem com os EUA, e não confundir com uma presidência que é necessariamente conjuntural", mas também perceber que a UE tem que se mostrar unida e mostrar que não está disponível "para que a presidência americana contribua para a divisão da Europa".

"O mundo em 15 dias percebeu bem como precisa de uma Europa forte", reforçou.
Ver comentários
Saber mais António Costa Mediterrâneo Nações Unidas Casa Branca Donald Trump EUA migrações executivo (governo)
Mais lidas
Outras Notícias