Mundo Isabel Jonet: Em 2023 vivemos melhor com menos. Regressando à essência

Isabel Jonet: Em 2023 vivemos melhor com menos. Regressando à essência

A vida é feita de altos e de baixos e, sobretudo, da aprendizagem e das ilações que possamos e consigamos fazer e retirar de cada um desses momentos. Para que, em média, a qualidade de vida possa ser melhor no futuro e de forma a que, de cada vez, consigamos reduzir o espaço para que o imprevisível nos consiga surpreender, escreve Isabel Jonet, presidente da Entrajuda e do Banco Alimentar, na sua carta ao futuro.
Isabel Jonet: Em 2023 vivemos melhor com menos. Regressando à essência
Negócios 27 de junho de 2013 às 14:00

Vivemos em Portugal, na Europa, no mundo tempos de crise, muito cruéis para tantas pessoas que lhes sofreram as consequências, que viram as suas justas expectativas muitas vezes frustradas. Mas à crise, às crises, que historicamente afecta as sociedades, sucedeu – como sempre - uma nova bonança. Muito provavelmente o próximo estádio de desenvolvimento haverá de ficar marcado pela apresentação de melhores condições de vida em média melhores do que as que oferecia o anterior.

Vivemos talvez a maior e mais global crise económica e financeira que porventura alguma vez conheceu o Mundo, cujo impacto e contornos verdadeiros se prolongam ainda.

Mas todos e cada um de nós, uns mais responsáveis do que outros, com maior ou menor capacidade de intervenção, enquanto decisores ou meros agentes económicos ou políticos, mas todos imbuídos do mesmo dever cívico, fomos capazes de apresentar e de propor soluções que permitiram preparar um advir em que seja menor a probabilidade de recorrência de situações desta natureza.

Os recursos são ainda mais escassos do que aquilo que suspeitamos, apesar da cultura de esbanjamento que existe nas nossas sociedades. E que, decerto ainda mais grave, estão ainda pior distribuídos do que pensamos. Mas apercebemo-nos que é possível fazer melhor. Aproveitando a oportunidade cruel da crise para reflectirmos naquilo que vínhamos fazendo erradamente e para rectificarmos um curso permitiu lançar novas bases para uma sociedade, talvez uma civilização, sustentável. O esforço para regressar à essência das coisas permitiu deixar aos nossos filhos e netos uma herança menos pesada.

O repensar do modelo, permitiu um novo desenvolvimento das economias, contribuindo para recuperar os níveis mínimos de confiança e repor os fluxos normais de acesso ao crédito, crucial para fazer face ao desemprego, fundamental para o crescimento.

O Estado teve um papel insubstituível, o que lhe compete. Mas a sociedade civil aceitou o seu papel reeducando comportamentos e readquirindo sobriedade na forma de viver, nas opções pessoais. Recuperando valores que são a pedra basilar de todas as sociedade. Humanizando. Voltando a colocar o Homem no centro das decisões.

Um pressuposto fundamental que consistiu na definição de um objectivo comum, que funcionou como mola impulsionadora e mobilizadora de toda a sociedade. Ou seja, numa lógica de bem comum, reinventar a solidariedade, recuperar a noção da responsabilidade colectiva, a certeza que os nossos actos individuais são importantes, determinantes, para o bem-estar colectivo, sendo que existem direitos e deveres que não podem ser esquecidos. Foi exigido um regresso ao essencial, um despojamento de tudo aquilo que vinha invadindo as nossas vidas, sem lhes acrescentar valor.

Em resumo, porque fomos capazes de regressar à essência das coisas foi possível preservar o essencial e promover o desenvolvimento e a redução das desigualdades a nível mundial.




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI