Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fundador do microcrédito perde recurso depois de ser demitido do banco que criou

Banco Central do Bangladesh tinha impedido Mohammed Yunus de continuar na administração da instituição por ter ultrapassado a idade da reforma.

Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 05 de Abril de 2011 às 14:18
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O fundador do microcrédito que venceu o Prémio Nobel da Paz em 2006, Mohammed Yunus, perdeu o recurso que tinha colocado por ter sido demitido do Grameen Bank, o banco de microfinanciamento que fundou há mais de 30 anos.

O Supremo Tribunal do Bangladesh rejeitou o pedido de Yunus, que queria manter-se na administração da instituição depois de o Banco Central do país o ter retirado do cargo com a indicação de que tinha ultrapassado a idade da reforma.

A situação passa, igualmente, por um conflito entre a primeira-ministra, Sheikh Hasina, e Mohammed Yunus. A primeira até já qualificou os bancos que disponibilizam microfinanciamento como “vampiros dos pobres”.

Por essa razão, o fundador do Grameen Bank acusou o Governo de estar por detrás da decisão de ser demitido, razão pela qual continuou a ir trabalhar mesmo depois de ser proibido pelo banco central. Actualmente, os maiores críticos desta situação centram-se na acusação de que Sheikh Hasina se está a vingar de Yunus por poder ser um potencial rival.

Segundo a AFP, as relações entre os Estados Unidos e o Bangladesh podem sair prejudicadas por este acontecimento. Robert Blake, assistente do Secretário de Estado para os Assuntos da Ásia Central e do Sul, defendeu que se não fosse alcançado um compromisso “sentir-se-iam consequências nas relações bilaterais”.

O Grameen Bank, detido a 25% pelo Estado, foi fundado na década de 70 e, em 2006, aquele que é considerado o pioneiro do microcrédito recebeu o Prémio Nobel da Paz “pelos seus esforços para criar desenvolvimento económico e social” a quem não tem outros meios para subsistir.

O Grameen Bank tem 1,4 mil milhões de dólares em depósitos e mil milhões de dólares em empréstimos activos a um total de 8,3 milhões de tomadores de empréstimos com baixos rendimentos

Ver comentários
Saber mais Mohammed Yunus Banco Central do Bangladesh microfinanciamento microcrédito Prémio Nobel da Paz Grameen Bank
Outras Notícias