Mundo G7 e o Brexit: Discutir, alertar e esperar

G7 e o Brexit: Discutir, alertar e esperar

A possibilidade de saída do Reino Unido da UE marcou a reunião dos titulares das Finanças e banqueiros. Mas ninguém quer admitir essa eventualidade e todos negam estar a trabalhar num plano B.
G7 e o Brexit: Discutir, alertar e esperar
Negócios 21 de maio de 2016 às 16:57
Os ministros das Finanças e os banqueiros centrais das sete maiores potências económicas defenderam este sábado, 21 de Maio, a importância da manutenção do Reino Unido na União Europeia.

O tema esteve em debate no encontro que decorre em Sendai, no nordeste do Japão, mas sem avaliar outro cenário que não seja o da permanência de Londres no espaço dos 28.

"O G7 não discutiu um plano B para responder ao que aconteceria se o Reino Unido deixasse a União Europeia. (...) Falámos de formas de ajudar o Reino Unido a manter-se na U", disse à Reuters o ministro francês das Finanças, Michel Sapin (na foto).

Apesar de admitirem a preocupação com os riscos e as "graves consequências" dessa saída - como o impacto de 2,6 biliões de euros na economia britanica e a desvalorização dos preços dos imóveis entre 10 e 18%, segundo o inistro britânico das Finanças, George Osborne -, a posição oficial parece ser a de esperar para ver o que acontece dentro de um mês, na data do referendo.

A quatro semanas da consulta pública, uma sondagem da Ipsos-MORI dava esta sexta-feira uma vantagem ao campo dos que defendem a continuidade da UE, com 55% contra 37% dos que querem a saída.

Do final da reunião fica o lapso de Taro Aso, o titular nipónico das Finanças, que disse que alguns dos seus colegas defendiam o Brexit. "O que o ministro quis dizer é que será bom se o Reino Unido se mantiver na UE", veio depois emendar fonte oficial do ministério.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI