Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Guerra comercial ameaça "prejudicar economia global"

A aplicação de restrições comerciais poderá "minar a confiança e fazer descarrilar o crescimento global de forma prematura", de acordo com o FMI.

Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 17 de Abril de 2018 às 14:36
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

A guerra comercial é um dos riscos que o Fundo Monetário Internacional (FMI) vê pela frente para a economia de todo o globo, segundo o "World Economic Outlook" de Abril deste ano. 

 

"As recentes restrições às importações, anunciadas pelos Estados Unidos, as anunciadas acções de retaliação pela China, e a potencial resposta por outros países, aumentam as preocupações nesta matéria e ameaçam prejudicar a actividade e o sentimento globais e domésticos", admite o FMI no relatório de Abril, publicado esta terça-feira, 17.

 

As tensões comerciais, com a mudança de foco para políticas proteccionistas, constam dos riscos negativos para o desenvolvimento económico na óptica da instituição.

Estas lutas podem "minar a confiança e fazer descarrilar o crescimento global de forma prematura", sublinha o comunicado do FMI.


A economia global deverá crescer 3,9% este ano, segundo as perspectivas da entidade presidida por Christine Lagarde, mas no médio prazo a tendência de crescimento é menor e, além disso, há riscos como o relacionado com o comércio. 

 

Ainda que com oscilações diárias, a tensão geopolítica a nível comercial mantém-se: ainda ontem o presidente dos EUA, Donald Trump, criticou a China e a Rússia, acusando-os de desvalorizarem artificialmente as suas moedas.

 
Depois da imposição de tarifas por Donald Trump, a China retaliou com uma lista de produtos a que iria impor custos adicionais. Além disso, países como a Coreia do Sul e a Rússia também anunciaram respostas às tarifas americanas. 

"Fomentar a cooperação. Deverão assumir prioridade a manutenção do momento de reforma financeira e regulatória e a preservação de um sistema comercial aberto e multilateral". Esta é uma das mensagens deixadas pelo FMI para que a economia global se proteja dos riscos. 

Apesar da guerra comercial, segundo o novo "Outlook" do FMI, os Estados Unidos marcam um crescimento do produto interno bruto de 2,9% em 2018 e de 2,7% no próximo ano, duas décimas acima, nos dois casos, em relação às projecções de Janeiro.

Ver comentários
Saber mais Fundo Monetário Internacional Donald Trump Estados Unidos Christine Lagarde World Economic Outlook
Outras Notícias