Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Laboratórios Abbott serão divididos em duas unidades

A farmacêutica, que tem uma capitalização bolsista superior a 80 mil milhões de dólares (58,3 mil milhões de euros), vai separar-se em duas unidades. Uma de produtos farmacêuticos diversificados e outra para o desenvolvimento de novos medicamentos.

Hugo Paula hugopaula@negocios.pt 19 de Outubro de 2011 às 19:44
A Abbott Laboratories vai assim dividir-se em duas empresas cotadas, que serão propriedade dos actuais accionistas da farmacêutica sedeada no Illinois, nos EUA, segundo o comunicado da empresa publicado no seu “site”.

A unidade de desenvolvimento de novos medicamentos, que vai ser separada e entregue aos accionistas, vai continuar a dedicar-se a criar e melhorar tratamentos para doenças específicas, como esclerose a múltipla e o cancro, refere o “blog” do “The New York Times”, “Dealbook”.

Com o nome Abbott ficará a unidade de produtos farmacêuticos diversificados. Esta foi, no ano passado, responsável por vendas no valor de 22 mil milhões de dólares e será a maior firma farmacêutica de medicamentos genéricos, constata o “Dealbook”, o blogue do “The New York Times” dedicado aos movimentos de fusões e aquisições.

A unidade de desenvolvimento de novos medicamentos foi responsável por 40% das vendas do grupo e a sua admissão à cotação acontecerá depois de ser separada da empresa-mãe e as suas acções entregues aos accionistas, segundo o comunicado da publicado pela empresa no seu “site”.

O contributo mais importante para as vendas desta unidade veio do medicamento Humira, com que a empresa captou receitas de 6,5 mil milhões de dólares e que é utilizado como tratamento da artrite reumatóide, refere o “Dealbook”.

Esta decisão foi tomada para proteger o crescimento da empresa, segundo disse o CEO da firma, Miles D. White, no comunicado da empresa. No entanto, a decisão contrasta com as várias aquisições a que o grupo procedeu nos últimos anos para crescer.

Ainda assim, esta operação é idêntica à separação da unidade responsável por grande parte dos seus produtos hospitalares, quando criou a empresa Hospira em 2004.

O analista do Goldman Sachs, Jami Rubin, vê a operação com bons olhos. "O 'status quo' não está a resultar; maior não é melhor", disse numa nota de análise de Fevereiro, citada pelo "Dealbook".

Miles D. White vai continuar a ser presidente do Conselho de Administração e CEO (presidente executivo) da Abbott. Já a nova unidade de Investigação & Desenvolvimento vai ser liderada pelo “veterano” da empresa, Richard A. Gonzalez, actualmente vice-presidente para a área de Farmacêutica Global.

Ver comentários
Saber mais Abbott farmácia farmacêutica
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio