Mundo Lisboa cai 2 lugares no ranking do custo de vida, mas está à frente de Toronto e Estocolmo

Lisboa cai 2 lugares no ranking do custo de vida, mas está à frente de Toronto e Estocolmo

O ranking de custo de vida da consultora Mercer relativo a 2019 mostra que Lisboa caiu duas posições, após a subida de 44 lugares no ano passado. Ainda assim, a capital portuguesa é mais cara que Toronto e Estocolmo.
reuters reuters Lee Jae Won / Reuters Arnd Wiegmann/Reuters reuters Bjørn Christian Tørrissen Andrew Harrer reuters Julian Nyča Vincent Mundy  Azamishaque Siphiwe Sibeko Bjørn Christian Tørrissen Ninara Otoirov ZOUBEIR SOUISSI
Tiago Varzim 26 de junho de 2019 às 00:01
A capital portuguesa é a 95.ª cidade mais cara do mundo em 2019, o que representa uma descida de dois lugares face à posição do ano passado, segundo o ranking de custo de vida da consultora Mercer divulgado esta quarta-feira, 26 de junho. Em 2018, Lisboa tinha subido 44 lugares com destaque para os preços da habitação e dos combustíveis.

Apesar da ligeira queda, o custo de vida da capital portuguesa está à frente de outras capitais internacionais como é o caso de Estocolmo (127.º), que caiu quase 40 posições, e Toronto (115.º). Os dados disponibilizados pela Mercer não permitem perceber o que determinou esta queda, mas é possível concluir que a desvalorização do euro face ao dólar levou à queda das cidades da Zona Euro.

"Lisboa desceu duas posições no ranking, passando da 93.ª posição em 2018, para o 95.º lugar em 2019. Após uma subida expressiva de 44 posições o ano passado, a capital portuguesa encontra-se agora estável no ranking do custo de vida da Mercer", assinala a consultora em comunicado. 

Como já é habitual neste tipo de estudos, a capital portuguesa destaca-se principalmente pelo preço da gasolina que é dos mais elevados. "Por outro lado, e comparativamente com a cidade mais cara do ranking, o preço de arrendamento de um apartamento T3 nas zonas nobres de Lisboa ronda os 3.150 euros e em Hong Kong os 12.910 euros", refere a consultora.

As mudanças de posições das cidades podem ser atribuídas aos preços, mas também à evolução de outras cidades uma vez que a posição é relativa. Além disso, como a lista é organizada em dólares a posição das cidades dependerá também da taxa de câmbio da moeda nacional face à divisa norte-americana.

A liderança volta a ser de Hong Kong, seguida por Tóquio e Singapura - oito das 10 cidades mais caras são asiáticas. Zurique, na Suíça, é a cidade europeias mais cara, sendo que só no 20.º lugar é que aparece uma cidade europeia de outro país: Copenhaga, na Dinamarca. Já Luanda, que chegou a liderar a lista em 2017, desceu 20 posições para a 26.ª posição.  

Este estudo da consultora Mercer foi realizado em março deste ano e considera as taxas de câmbios assim como o preço dos bens e serviços em cada país em vigor nesse período. A cidade usada como referência para o estudo foi Nova Iorque, que ocupa o nono lugar. O estudo inclui 209 cidades espalhadas pelos cinco continentes e mais de 200 itens em cada local, entre estes alojamento, transportes, comida, roupa, bens domésticos e entretenimento.

Lisboa volta a destacar-se nos combustíveis
O estudo dá alguns exemplos sobre os preços desses bens nas cidades consideradas. A capital portuguesa continua a ser uma das mais caras do mundo para encher o depósito. Um litro de gasolina sem chumbo 95 custa 1,68 euros em Lisboa. Na lista apresentada pela Mercer apenas Hong Kong apresenta um valor mais elevado: 1,81 euros. 

Mas há mais exemplos sobre o custo de vida em Lisboa. Uma cerveja Heineken de 0,33 litros custa 1,06 euros, abaixo da maior parte das cidades com que a Mercer compara. Um quilo de pão custa 3,69 euros, um litro de leite 79 cêntimos, um bilhete para o cinema sete euros, uma chávenas de café 2,5 euros e um menu Big Mac 4,8 euros. 

O arrendamento de um apartamento - um tema polémico em Lisboa dado a subida significativa dos preços nos últimos anos - continua abaixo dos preços praticados nas cidades mais caras. Em Lisboa, segundo a Merder, o arrendamento mensal de um T2 num "bairro apropriado" custa 2.450 euros e um T3 3.150 euros. Em cidades como Pequim, Londres ou Hong Kong a renda pode ir dos 3.000 aos mais de 10.000 euros.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI