Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portuguesa Partex já investiu cerca de 70 milhões na exploração de petróleo em Angola

A petrolífera da Fundação Calouste Gulbenkian, Partex, já investiu cerca de 70 milhões de euros na exploração e petróleo num bloco no 'offshore' angolano, sendo uma "aposta de futuro", garantiu o presidente executivo da empresa portuguesa.

Lusa 29 de Outubro de 2015 às 10:51
  • Partilhar artigo
  • 2
  • ...

A petrolífera está presente em Angola desde 2006, com uma participação de 2,5% no consórcio do bloco 17/06, de exploração em águas ultra profundas, operado pela Total e que já conta com sete perfurações que originaram cinco descobertas de petróleo, embora de acumulações mais pequenas.

 

Conforme revelou o presidente executivo da petrolífera, António Costa Silva, durante uma conferência em Luanda, a Partex já investiu entre 70 a 80 milhões de dólares (à volta de 70 milhões de euros) em Angola.

 

"É um investimento grande para uma companhia da nossa dimensão e nós temos uma visão a longo prazo para manter esse investimento no futuro, viabilizá-lo e olhar para todas as oportunidades", disse o responsável, que falava à Lusa à margem da conferência 'Energia em Angola 2015', promovida pelo Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola.

 

O presidente da Partex garante que a operação em Angola tem gerado "mais-valias", face a "descobertas em algumas das perfurações" do bloco 17/06 e que, por isso, "é para manter", apesar da forte quebra da cotação do barril de crude no mercado internacional, pretensão que ainda pode esbarrar no aumento dos custos de produção.

 

"Há a necessidade de se alterar o quadro fiscal para os campos marginais, para permitir o seu desenvolvimento", apontou António Costa Silva, garantindo ser esta uma forma de "garantir sinergias" com outros blocos, diminuindo custos de produção.

 

"Penso que Angola é um país de grande potencial, não só no 'offshore' mas também no 'onshore', nas bacias terrestres. Creio que é uma aposta para o futuro", assegurou o presidente executivo da Partex.

 

Durante a intervenção nesta conferência energética da Universidade Católica de Angola, que se realiza anualmente em Luanda, o especialista alertou ainda para o excesso de produção no mercado internacional, que ronda os dois milhões de barris de crude por dia, face à procura.

 

Por esse motivo, apontou a necessidade de uma "reflexão estratégica" sobre o futuro e apostas da actividade petrolífera em Angola - em forte crise devido à quebra para metade das receitas com a exportação de petróleo -, passando pela redução de custos e pela entrada em força na produção 'onshore', tendo em conta os "preços muito baixos" do petróleo no mercado internacional.

 

Ver comentários
Saber mais António Costa Silva Partex Angola petróleo
Outras Notícias