A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Presidente mexicano avisa que "compromissos são para cumprir"

O Presidente do México celebrou no sábado o acordo alcançado com os Estados Unidos que evitará a imposição de tarifas aos produtos mexicanos e estendeu a mão ao Presidente norte-americano, mas avisou que os "compromissos são para cumprir".

Reuters
Lusa 09 de Junho de 2019 às 10:54
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

López Obrador (na foto) presidiu na cidade fronteiriça de Tijuana ao "Ato de unidade em defesa da dignidade do México e em favor da amizade com o povo dos Estados Unidos", num tom muito mais conciliatório do que o esperado, depois de ambos os governos terem assinado a declaração conjunta. "Reiteramos a vontade de amizade, diálogo e colaboração", disse, rodeado por membros proeminentes do Executivo e quase todos os 32 governadores do país e representantes do Congresso mexicano.

 

O líder do Movimento Nacional de Regeneração (Brunette) foi firme em rejeitar que no futuro o México pudesse ser retaliado com tarifas. "Como chefe e representante do Estado mexicano, não posso permitir que ninguém ataque a economia do nosso país", disse López Obrador, que se definiu como um seguidor "pacifista" de Mahatma Gandhi, Nelson Mandela e Martin Luther King.

 

Se as duas partes não tivessem chegado a um acordo, as tarifas entrariam em vigor na segunda-feira, afetando todas as importações mexicanas, com taxas que começariam em 05%, subindo a cada mês até atingir 25% em outubro.

 

No acordo, o México comprometeu-se a mobilizar 6.000 elementos da Guarda Nacional para controlar a sua fronteira com a Guatemala e a receber os que solicitam asilo nos Estados Unidos até que os seus pedidos sejam processados pelos tribunais dos EUA.

 

Os Estados Unidos acreditam que o México não está a fazer o suficiente para controlar a sua fronteira com a Guatemala, ao sul do seu território, e que permitiu o desenvolvimento de redes que levam migrantes para os Estados Unidos, principalmente provenientes da Guatemala, Honduras e El Salvador. Nesse sentido, López Obrador anunciou que na próxima semana o seu Governo começará a fornecer "ajuda humanitária" para essas pessoas, bem como centros de emprego, saúde e educação.

 

Além disso, o Presidente mexicano apontou que quer mais parcerias económicas com Guatemala, Honduras e El Salvador para erradicar a migração forçada nestes países.

 

O líder mexicano lembrou que 43.000 crianças migrantes viajam sozinhas para chegar aos Estados Unidos e que por isso "será sempre injusto tentar punir o México por propor a suspensão da migração por meio da promoção do bem-estar e segurança", sublinhou.

 

Também em Tijuana, o ministro dos Negócios Estrangeiros mexicano, Marcelo Ebrard, que liderou a delegação que negociou com os Estados Unidos, admitiu que o país "não ganhou" as negociações em todas as frentes, mas comemorou o facto de não haver tarifas a partir de segunda-feira. Caso contrário, quase 900.000 mexicanos poderiam ter perdido os seus empregos por causa das consequências que as taxas alfandegárias iam trazer, garantiu.

 

Marcelo Ebrard destacou ainda que o Governo norte-americano se comprometeu a respeitar os direitos humanos dos migrantes e a apoiar o plano de desenvolvimento de López Obrador para a América Central. "Como eu lhe disse hoje [sábado], quando lhe dei o meu relatório: não há honorários, senhor Presidente, e saímos com a dignidade intacta", concluiu Ebrard.

 

O desfecho das negociações não foi unânime no México: Os principais partidos da oposição mexicana contestaram o acordo de migração firmado entre o México e os Estados Unidos, considerando que o Governo mexicano "se rendeu" à exigência de "militarizar" a fronteira sul. "O Governo do México foi forçado a cumprir com a implantação de um muro militar no sul", criticou através das redes sociais Marko Cortés, presidente do Partido de Ação Nacional (PAN).

Ver comentários
Saber mais López Obrador Marcelo Ebrard México Estados Unidos
Outras Notícias