Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Trump é contrariado pelo secretário da Defesa e fica mais isolado no divisionismo

O secretário da Defesa contrariou Trump na intenção de recorrer ao exército para controlar as manifestações contra o racismo e a violência policial. Em contraponto com o atual presidente, Obama divulgou mensagem de esperança e de unidade.

must
David Santiago dsantiago@negocios.pt 04 de Junho de 2020 às 13:48
  • Assine já 1€/1 mês
  • 20
  • ...

A atitude de Donald Trump na gestão dos protestos que há mais de uma semana decorrem nos Estados Unidos tem motivado diversas críticas, porém agora a reprovação vem mesmo dos elementos que integram a atual administração norte-americana. Contrastando com o divisionismo do presidente americano, Barack Obama gravou um vídeo com uma mensagem unificadora e de esperança.

Esta quarta-feira, o secretário da Defesa, Mark Esper, contrariou a vontade de Trump de recorrer ao exército para suster os protestos contra a violência policial e o racismo ainda existentes na sociedade norte-americana. Depois de, inicialmente, ter dado respaldo à intenção do presidente americano de mobilizar as forças armadas para os estados e cidades onde as manifestações têm, por vezes, culminado em saques e violência, Esper veio agora dar o dito por não dito.

Na segunda-feira, começou por defender que "quanto mais cedo se dominar o espaço de batalha, mais rapidamente [estes protestos] se dissipam e podemos voltar ao normal". Já esta quarta-feira veio opor-se ao recurso da chamada "Lei da Insurreição", considerando que esse instrumento legal deve ser usado apenas em "situações muito urgentes" e concluindo que tal necessidade não se verifica de momento.

Esper posicionou-se em linha com o antecessor no cargo, James Mattis (saiu da Casa Branca no final de 2018), que veio entretanto criticar a forma como Trump tem gerido esta crise e acusando-o de abusar do seu poder executivo.

"Sabemos que somos melhores do que o abuso da autoridade executiva que testemunhámos em Lafayette Park", disse Mattis para quem a "militarização da resposta" às manifestações pacíficas como a que decorreu na segunda-feira em Washington serve somente para "criar um conflito, um falso conflito, entre a sociedade civil e militar".

Em causa estão as declarações feitas na passada segunda-feira pelo presidente norte-americano, ameaçando usar a força para dominar e acabar com as manifestações.

"Sou o vosso presidente da lei e ordem. Vou mobilizar todos os recursos federais disponíveis, civis e militares, para pôr fim aos motins e pilhagens, para acabar com a destruição e os fogos postos e para proteger os direitos dos americanos cumpridores da lei (…) Se uma cidade ou um estado se recusar a tomar as medidas necessárias para defender a vida e a propriedade dos seus residentes, vou mobilizar as forças militares americanas e resolver o problema rapidamente", declarou o presidente norte-americano.

Nesse mesmo dia, uma manifestação não violenta na capital, junto à Casa Branca, foi dispersada pelas forças de segurança com recurso a gás lacrimogéneo e balas de borracha de modo a abrir caminho para que Trump posasse junto à chamada "igreja dos presidentes", simbolicamente empunhando uma bíblia virada do avesso.

Trump não tardou a responder ao seu ex-secretário de Estado. Através do Twitter, Trump disse que terá apenas uma coisa em comum com o ex-presidente, Barack Obama: "Ambos tivemos a honra de despedir Jim Mattis, o general mais sobrevalorizado do mundo".

Contudo, as críticas feitas a Trump não se cingem apenas a democratas ou a elementos da Casa Branca, incluem também cada vez mais republicanos. Entre os que mais recentemente criticaram o presidente está Susan Collins, senadora do Maine, que gostaria de ver Trump "acalmar a nação" e não o contrário.

Na sequência do assassinato do negro George Floyde pela política de Minneapolis teve início uma vaga de protestos e manifestações que se já alastraram a perto de 400 cidades. 

Obama: "As vossas vidas importam"

Barack Obama fez questão de intervir no atual momento delicado que a sociedade dos Estados Unidos atravessa. Num vídeo com perto de três minutos, o ex-presidente norte-americano dirige-se aos jovens de cor para asseverar que "as vossas vidas importam". 

O primeiro e até hoje único negro a ter comandado a Casa Branca mostra-se "otimista" quanto ao futuro do país e enunciou ideias anti-racistas que contrastam com as ameaças e postura divisiva até agora adotada por Donald Trump. 

"Espero que sintam esperança, mesmo que se sintam zangados, porque têm o potencial de tornar as coisas melhores e vocês ajudaram a que todo o país sinta que isto é algo que tem de mudar. Vocês transmitiram um sentido de urgência que é mais poderoso e transformativo do que qualquer outra coisa que testemunhei nos últimos anos", disse Obama.

Ver comentários
Saber mais Donald Trump Barack Obama Estados Unidos Mark Esper James Mattis Casa Branca George Floyd
Mais lidas
Outras Notícias